Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT
Anúncio 01

Últimas Notícias

Pedestre foi atropelado por uma moto quando atravessava a avenida 04 de Julho, na noite de quarta-feira (16), em Juruena. Vítima ficou gravemente ferida foi socorrida ao Hospital Municipal.
Der acordo B.O da Policia Militar, a guarnição foi acionada via telefone que uma motocicleta teria atropelado uma senhora na proximidade da Feira Municipal, o acidente ocorreu logo após do redutor de velocidade (Quebra mola). A senhora J.A. teria saído da calçada para atravessar a rua quando foi atingida.
A vítima sofreu fratura expostas nas pernas, trauma crânio cefálico, cortes nos supercílios e várias escoriações.
O condutor foi encaminhado para Delegacia de Polícia para providencia que o caso requer.

Virtuais candidatos não passam de 20% das intenções de voto; MT-Dados apresenta 7 cenários para o Paiaguás, além de 11 simulações de confronto

 
Faltando 13 meses para as eleições gerais, o nome do ministro Blairo Maggi (Agricultura), que comandou o Estado por quase 8 anos, é hoje o mais lembrado nas intenções de voto para o Palácio Paiaguás, seguido pelo governador Pedro Taques, pelo ex-prefeito cuiabano Mauro Mendes e pelo senador Wellington Fagundes. Em outros cenários, o presidente do Tribunal de Contas, conselheiro Antonio Joaquim, o senador Wellington Fagundes e o ex-senador Jayme Campos também pontuam.
O levantamento foi feito pelo MT-Dados Pesquisa e Marketing entre 28 de julho e 4 deste mês. O instituto ouviu 3.057 pessoas em 45 municípios de sete regiões. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos.
Como o quadro é de completa indefinição sobre eventuais candidaturas à sucessão estadual, o MT-Dados apresentou, na pesquisa estimulada, sete cenários, alternando nomes de alguns virtuais concorrentes. Traz ainda simulações de confronto, num espécie de duelo de segundo turno, e ainda mostra como estão as intenções de voto na espontânea e o índice de rejeição.
Numa possível disputa entre Blairo (PP), Taques (PSDB), Mauro Mendes (PSB), Wellington (PR) e Jayme (DEM), o ex-governador e hoje senador licenciado lidera com 18,06%. Taques seria o segundo colocado, com 9,78%, empatado tecnicamente com Mendes (9,36%), enquanto Wellington (6,44%) e Jayme (5,92%) vêm "na cola". Se o embate fosse entre Blairo, Taques, o procurador Mauro de Lara (Psol) e o petista Lúdio Cabral, o ministro também venceria. Nesse caso, ficaria com 18,22% (ver cenário 7).
municipios pesquisados mt dados
Os municípios acima onde o instituto MT-Dados fez o trabalho de campo
Sem Blairo no páreo, a liderança passa a ser de Taques, que pretende buscar a reeleição. Conforme mostram os cenários 2, 3, 5 e 6, o governador ficaria com percentuais entre 14% e 16%. O adversário que hoje incomodaria o tucano, conforme mostra a pesquisa, seria Mendes. No duelo, ambos aparecem empatados tecnicamente.
Na espontânea - situação em que o entrevistado revela o nome de preferência sem auxílio de uma lista com os possíveis candidatos -, Blairo figura com 6,84%, empatado tecnicamente com Taques (3,43%). Mendes vem em terceiro com 2,85% e, Jayme, com 1,50%. Nesse caso, os indecisos somam 81,98%.
Rejeição
Quanto à rejeição, o nome de Taques lidera de forma disparada. Perguntados sobre em quem não votariam de jeito nenhum, 46,82% apontaram o nome do governador tucano. A segunda maior rejeição é de Blairo, com 16,35%, seguida de Jayme (11,58%), de Lúdio (8,25%) e de Wellington (4,92%). Os menos rejeitados são Antonio Joaquim, que ainda não definiu que partido se filiar, e o procurador Mauro, ambos com 1,90%.
----------------------------
       Nesta quinta, o Blog do Romilson prossegue a divulgação da pesquisa, desta vez com o resultado da amostragem para o Senado.
Fonte: RD News

 RENAN MARCEL


 A crise interna no PSB e a consequente debandada das principais lideranças da sigla para outras legendas podem ser encaradas como o pontapé inicial do grupo governista nas articulações partidárias com vista nas eleições de 2018. Ao mesmo tempo em que os nomes de peso do partido buscam destinos que lhes permitam espaço, eles desejam também a chance de desenvolver seus projetos políticos eleitorais. E embora esses interesses, muitas vezes, se choquem, o  discurso do grupo, pelo menos neste momento, é de manter unidade e sustentar a candidatura do governador Pedro Taques (PSDB) à reeleição."O importante é continuarmos firme e forte com o governador Pedro Taques, independente de que partido que for. Não trabalhamos com a perspectiva de projeto próprio, sob hipótese alguma. Nós estamos construindo a candidatura do Pedro. Estamos dentro do governo e vamos continuar no governo, garantindo a reeleição legítima dele", assegurou um dos descontentes com os rumos do PSB, agora sob o comando do deputado federal Valtenir Pereira.

 Ao que tudo indica, o DEM será o principal destino dos dissidentes do PSB. O deputado estadual Eduardo Botelho é o maior defensor dessa migração. Para ele, a legenda deu mais liberdade aos prováveis novatos na agremiação e não colocou imposições aos nomes.

"O DEM foi o único partido que não restringiu ninguém. Abriu a porta para todos. Dissemos que queremos construir um projeto para o Mauro Mendes. A resposta foi: “podem construir aqui dentro, a porta está aberta“. Os outros partidos havia sempre um veto. Então entendemos que o melhor caminho é o DEM", disse, citando a pretensão de lançar o ex-prefeito de Cuiabá ao Senado.



Botelho lembra que o DEM tem compromisso com o governo Taques e também com a reeleição do tucano. O mesmo fez o deputado democrata Dilmar Dal“Bosco:"nosso partido está focado em fazer sustentação ao governo Pedro Taques e apoiar a reeleição dele". Entre os egressos do PSB, pelo menos dois deles, os deputados estaduais Mauro Savi e Oscar Bezerra, não devem ir para o DEM. O destino é o Partido Progressista. Sigla que já fez parte da base e hoje se declara "independente". Há ainda uma incerteza sobre o futuro político de Mauro Mendes, já que circula nos bastidores a possibilidade dele também se filiar ao PP, o que amplia a possibilidade uma disputa pelo governo.No próximo ano, além do cargo de chefe do Executivo mato-grossense, os partidos ainda terão que articular seus nomes em busca de garantir espaço na disputa pelas duas vagas ao Senado.






Fonte: Hiper Noticias

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.