Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
A vacina contra a febre aftosa deve ser extinta em Mato Grosso até 2021. O objetivo é livrar o Estado da doença sem nenhum tipo de vacinação e confirmar o país como zona livre da aftosa sem vacinação até 2023, fazendo com que a carne brasileira tenha um ganho de mercado. O anuncio foi feito hoje (10) pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).
Mato Grosso completou, no ano passado, duas décadas sem registros da doença, segundo o governo estadual, em um dado reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Desde 2005, o Estado registra um número de animais vacinados acima de 99%. Somente no ano passado, cerca de 29 milhões de cabeças foram imunizadas.
De acordo com a Acrimat, o principal ganho para a pecuária com aquisição desse título de livre de aftosa sem vacinação é econômico. Alguns países, como Japão, não importam carne de países que ainda vacinam.
“Agora é preciso discutir junto com setor questões técnicas, de logística e até de exportação para que o país saia mais fortalecido deste processo”, afirma Francisco de Sales de Manzi, diretor-técnico da Acrimat e médico veterinário.
O plano estratégico de retirar a vacinação dos animais foi realizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O programa dividiu o país em cinco blocos, sendo que os primeiros Estados devem extinguir a vacinação em 2019 seguindo até 2021.
Em 2021, além de Mato Grosso, encerram a imunização o restante do Centro Oeste, o Sudeste, toda a região Sul e ainda a Bahia e o Sergipe.
Guilherme Marques, diretor do Mapa, explicou que é preciso criar e manter condições sustentáveis para garantir o status do Brasil livre da febre aftosa sem vacinação. Para tanto, ressaltou, é necessário implementar uma séria de ações, como melhorias do sistema de segurança, com respostas mais rápidas de todo serviço veterinários, diagnósticos de forma ágil e a reação do sistema com vista a debelar rapidamente eventuais focos. 
A programação em relação ao programa foi divulgada durante um seminário internacional da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (Cosalfa), que foi realizado em Pirenópolis (GO). (Com Assessoria)
Marcadores: ,

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.