Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Imagem:Gcom MT

Euziany Teodoro e Natalie Luna

 O governador Pedro Taques, em viagem a São Paulo nesta segunda-feira (29.05), falou sobre os desafios para a Reforma Tributária, que é discutida em âmbito nacional, e defendeu que a realidade de cada estado da Federação seja levada em conta antes de uma decisão final. O governador palestrou sobre o tema “Uma reforma enquanto esperamos a Reforma”, durante participação no seminário internacional “Tributo ao Brasil: a reforma que queremos”. O evento é realizado pela Associação dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo (Afresp), em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).Taques apresentou dados econômicos de Mato grosso, reforçando que a Reforma Tributária é necessária e urgente. “Venho de um Estado que tem 1,6% da população do Brasil. Mato Grosso deixou de arrecadar R$ 39 bilhões em ICMS por conta da Lei Kandir. A União só nos devolveu R$ 5 bilhões por meio do FEX. O Brasil exportou, do agronegócio, R$ 100 bilhões de dólares. Mato Grosso exportou R$ 16 bilhões de dólares e ainda assim nosso superávit foi de R$ 13 bilhões. Precisamos tratar disso com responsabilidade e não podemos aguardar mais”, afirmou.

Para o governador, a Reforma depende de vontade política e deve considerar as características de cada estado. “Precisamos desta reforma tributária, mas para que tenhamos, precisamos de vontade política. A pergunta que se faz hoje é: temos essa vontade política?”, questionou.“Nós não podemos fazer reforma tributaria a partir de estados como São Paulo ou Minas Gerais, por exemplo. Temos que levar em conta a realidade de outros estados da federação. Sou totalmente contrário a exportarmos impostos ou empregos. Não sou otimista, nem pessimista. Não vejo o copo cheio, nem o copo vazio. Sou realista: quero saber quem vai lavar esse copo”, cobrou o chefe do executivo mato-grossense.“Se não tivermos esta reforma, eu não vou permitir que o meu Estado continue a sofrer o que vem sofrendo.  É muito bom falar em reforma tributária, excelente. Sou favorável, desde que possamos superar as desigualdades históricas entre os Estados. É Muito bom falar em reforma tributária, desde que os estados produtores - que mais exportam, possam ter compensações constitucionais garantidas, e não fazer com que os governantes sejam meninos de recado do Tesouro Nacional”.

O secretário de Fazenda do Estado de São Paulo, Elcio Tokeshi, citou Mato Grosso como modelo para outros Estados. “Falei com o governador Pedro Taques e estamos elaborando um seminário para que São Paulo possa aprender com a reforma e as ideias que Mato Grosso já desenvolveu. Para que assim possamos avançar no melhor estilo e espírito de nos ajudar”, disse Tokeshi.

Movimento VIVA

Entendendo que o Brasil vive uma crise profunda, a Afresp e o BID lançaram o Movimento VIVA com o propósito de defender a necessidade de uma reforma tributária do consumo, ampla e com qualidade. O Movimento, segundo a organização, “não quer impor um modelo de reforma tributária próprio, assim como não defende interesses corporativos ou particulares, mas defende princípios simples e efetivos”.Para a Afresp, a reforma tributária no Brasil precisa estar embasada em princípios, por essa razão defende um imposto que: traga recursos para o bom funcionamento do Estado; não atrapalhe a economia; seja porta de entrada para a cidadania; simples e transparente; favoreça o equilíbrio federativo e cooperação intergovernamental; ofereça segurança jurídica para os negócios; estimule o cumprimento espontâneo das obrigações tributárias; feche portas para a corrupção; iniba a sonegação; e traga o Fisco para perto da sociedade.“A Associação se levanta para pedir uma ampla reforma do tributo que incide sobre a base do consumo no país. Nós do Fisco estamos esgotados. O país está esgotado. Mais do que nunca precisamos de um recomeço e esse recomeço não pode ser feito por um ato solitário. Por isso, a Afresp tem buscado outros setores da sociedade sensíveis a esta demanda”, afirmou Rodrigo Spada, presidente da Afresp.

 



Fonte: GCOM
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.