Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Juíza condena Riva pela segunda vez; já são 43 anos de prisão em regime fechado
O ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (sem-partido), recebeu a segunda condenação por crimes em desvios de dinheiro público. Desta vez, ele foi condenado a mais 22 anos, 4 meses e 16 dias de prisão, relacionado a processos da “Operação Arca de Noé”, deflagrada em 2002. A sentença foi proferida pela juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá.
“Com efeito, desde a diligências encetadas no bojo do inquérito civil, já é possível verificar que a empresa que se beneficiou de 87 pagamento em cheque estavam em poder da factoring quando da realização da diligência de busca e apreensão efetivamente não existia”, justificou a magistrada.
É o segundo revés que Riva sofreu na 7ª Vara Criminal. Em março deste ano, o ex-presidente do Legislativo já havia sido condenado há 21 anos de prisão pelo desvio de mais de R$ 2 milhões por meio de pagamentos a empresa  "João Roberto Borges Papelaria", também de fachada.
Ao todo, Riva acumula mais de 43 anos de condenações em sentenças proferidas pela temida magistrada, Selma Arruda.
Entenda
A ação penal teve embasamento sobre 87 pagamentos irregulares efetuados em cheques pela Assembléia Legislativa de Mato Grosso em favor da empresa Prospecto Publicidade. Os crimes ocorreram entre junho de 2000 e novembro de 2002.
 
De acordo com o Ministério Público, o valor desviado chega próximo a casa dos R$ 4,2 milhões. Atualizado, somaria quase R$ 11 milhões. O procedimento teria se originado da deflagração da Operação Arca de Noé, quando mandados cumpridos em desfavor de João Arcanjo Ribeiro reuniram cheques do Legislativo.
Fonte ;O Documento
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.