Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O setor agropecuário está na expectativa da publicação da Medida Provisória que cria nova contribuição para o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). Na proposta original, será reduzida a alíquota dos atuais 2,3% para 1,5%, cobrado dos empregadores rurais (pessoas físicas) e que permitirá manter a previdência dos trabalhadores do campo. A alíquota menor valerá para os produtores adimplentes. Aos demais que não efetuaram os recolhimentos – estima-se que devam R$ 13 milhões -foi pleiteado que o prazo de pagamento chegue a 20 anos.
“Provavelmente até o fim da próxima semana sairá a MP”, afirma o presidente nacional da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja) e vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária (Famato), Marcos da Rosa. Conforme ele, a mudança foi ajustada às expectativas dos produtores rurais, contudo é preciso aguardar a publicação do texto final na forma de Medida Provisória. “A MP vai regulamentar o seguinte: os produtores que recolheram o Funrural e estão em dia (com os pagamentos) perante o Supremo Tribunal Federal (STF) terão uma taxa menor que aqueles que não recolheram”, reforça.
“Outro ponto prevê que o produtor inadimplente pague uma pequena parte do valor bruto por causa da Lei de Responsabilidade Fiscal do governo, que não pode isentar totalmente”, acrescenta.
Na percepção do vice-presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Mato Grosso (Sindifrigo), Paulo Bellincanta, a proposta na forma original não está adequada à realidade enfrentada pela indústria. “Temos uma situação diferenciada e essa MP pode jogar muita gente na clandestinidade e até levar à falência. Não se pode inviabilizar as empresas”. Bellincanta falou sobre o assunto com o ministro Blairo Maggi, durante o Seminário Agronegócios – A força do Campo, em Cuiabá, nesta quinta-feira.
Fonte: A Gazeta (foto: assessoria/arquivo)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.