Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Emocionados, familiares e amigos das irmãs Samara Cristina Nunes Bandeira, 17, e Sara Cristina Nunes Bandeira Joseph, de 24 anos, recepcionaram as jovens na manhã desta quarta (13), no aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande.
Gilberto Leite
familia-meninas.jpg
Amigos e família de Samara e Sara posam para foto após chegada das jovens em Cuiabá
Após quase três dias de viagem, as cuiabanas retornaram ao Brasil refugiadas da ilha Tortola, no Caribe, por onde o furacão Irma passou causando devastação. Segundo o pai das meninas, pastor Uziel Bandeira, a expectativa foi grande, pois desde a semana passada ele e a esposa não dormiam direito nem comiam devido à situação.
Na espera pelas irmãs estava a avó materna, que, conforme Uziel, foi a última a saber do ocorrido por causa de problemas de saúde. Quando Samara, Sara e o filho Brian Marvin Joseph, de um ano, atravessaram o portão de desembarque, a mãe e o pai foram os primeiros a abraçar a turma.
Em seguida, a avó e os amigos se aproximaram e a emoção tomou conta do cenário. Sara conta que o local onde estavam era seguro e, por isso, não sentiram o furacão, só ouviram. “Depois que sai do hotel é que vi os estragos que tinham acontecido. Quando eu soube da casa, no momento choquei, mas depois agradeci a Deus porque a gente não estava lá. E também tínhamos outros planos”.
Para a jovem, apesar da tragédia na ilha, o fato é visto como uma oportunidade de recomeçar. “Como meu marido disse, agora é a oportunidade de fazer o que estávamos planejando”. Diz que as pessoas estavam há quase uma semana ilhadas, porque não tinha como aviões comerciais pousarem.
Ressalta que o piloto Rogério Duarte ficou sabendo da situação, pousou no local com seu helicóptero e resolveu ajudar. Junto às jovens também foram resgatadas duas pessoas de Rondônia.
Conforme Sara, neste momento ainda existem 15 brasileiros ilhados sem poder sair de Tortola, tentando arrumar uma maneira, barco ou helicóptero privado, para sair e se salvar. “Agora está tudo destruído lá, não tem como ficar. Mas o governo trabalha para recuperar a ilha toda, e daqui uns três meses já será possível retornar.”
Confira, abaixo, fotos do momento da chegada das meninas no aeroporto, e imagens exclusivas feitas pelo esposo de Sara, Marvin Joseph, do estrago causado pelo furacão em Tortola

Marcadores:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.