Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Botelho diz que não recebeu notificação sobre prisão de Fabris e procuradoria da  AL é quem “orienta ação jurídica”O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, deputado Eduardo Botelho (PSB), afirmou que irá decidir sobre a questão do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), com base em orientação jurídica da Procuradoria Geral e quando tiver a notificação formal da Polícia Federal. “Não vou ficar aqui analisando hipóteses. Quando a notificação estiver no gabinete da presidência, sim, vamos definir”, afirmou Botelho, para a reportagem do Olhar Direto, pouco antes de participar de uma reunião no Palácio Paiaguás.
 
A Superintendência da Polícia Federal em Mato Grosso assegurou que a notificação sobre a detenção do parlamentar, por suposta obstrução da justiça, foi protocolizada no Poder Legislativo no último sábado (17).Eduardo Botelho tem conversado com os deputados desde o último sábado e até teria chegado a articular uma sessão extraordinária para noite desta segunda-feira (18). Sem êxito. “Vamos agir corretamente. Dentro do que determina a Constituição e em respeito às instituições”, ponderou o chefe do Poder Legislativo.
 
O procurador geral Luiz Otávio Trovo Marques não quis confirmar a chegada do comunicado da PF ao Edifício Dante de Oliveira. “Não posso dar qualquer declaração sobre o assunto. Devo me reportar diretamente ao presidente Botelho”, explicou ele.
 
A reportagem do Olhar Direto apurou que a Mesa Diretora da Assembleia delegou a Trovo Marques e seu adjunto Grhegory Paiva Pires Moreira Maia  a incumbência de elaborar o parecer, no caso da prisão de Gilmar Fabris, que será submetido ao crivo do plenário das deliberações Renê Barbour.
 
O Artigo 29 da Constituição de Mato Grosso, combinado com o Artigo 53 da Constituição da República, que tratam da imunidade parlamentar, dão autonomia ao Poder Legislativo para libertar o deputado que for preso.  Também devem constar no parecer da Procuradoria Geral do Legislativo, no despacho, os Artigos 46 e 47 da Resolução 679/2007, promulgada pelo então presidente da Assembleia, deputado Zeca D’Ávila (DEM).
 
Gilmar Fabris e outros 16 deputados estaduais são investigados na delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) à Procuradoria Geral da República, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Na última sexta-feira (15), Fabris teve a sua prisão decretada e se entregou à PF, em Cuiabá, acusado de obstrução à Justiça. Os deputados estaduais, em plenário, têm a prerrogativa constitucional de decidir pela sua soltura.

Da Redação - Ronaldo Pacheco

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.