Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

lavoura de soja O município de Sorriso fechou o ano passado com uma produção agrícola estimada em R$ 3,2 bilhões. O aumento é de 28,3% em relação ao valor calculado em 2015. O fato fez o município mato-grossense registrar o maior valor de produção agrícola do Brasil, ultrapassando a cidade baiana de São Desidério, tradicional campeã que sofreu um decréscimo de 33,5%.
Os dados constam na Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) 2016, divulgada nesta sexta (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa contabiliza o valor das produções das lavouras temporárias e permanentes. São pesquisadas 63 produtos agrícolas, incluindo 36 grãos que também são analisados mensalmente pelo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) e mais 22 tipos de frutas.
Sorriso é reconhecido pela produção de grãos como soja, milho, feijão, algodão em caroço, arroz e girassol. Apesar disso, o relatório também aponta que a cidade produziu, em 2016, culturas como madioca, melancia, banana, melão, abacaxi, mamão, tomate, laranja, limão e maracujá.
Dos vinte principais municípios produtores do país, treze são mato-grossenses. As cinco primeiras posições da produção agrícola são ocupadas unicamente por municípios mato-grossenses, sendo que depois Sorriso, aparecem Sapezal, com uma produção calculada em R$ 2,7 bilhões; Nova Ubiratã e Campo Novo do Parecis (R$ 2 bilhões) e Nova Mutum (R$ 1,8 bilhão). Juntas, essas cidades representam 3,8% do valor total da produção brasileira.
O relatório do IBGE explica que as cidades de Mato Grosso estão sempre em destaque porque “possuem uma grande extensão de área cultivada e utilizam alta tecnologia, que associada às boas condições climáticas propiciam altas produtividades. Como o cultivo da soja e do milho ocorrem em épocas distintas, há um maior aproveitamento da área agricultável, reduzindo a necessidade de abertura de novas áreas”.
Mato Grosso
A produção mato-grossense fechou o ano passado com uma área plantada de 14,5 milhões de hectares plantados e 14,2 milhões de hectares colhidos. O valor da produção ficou em R$ 43,6 bilhões, registro 18,9% menor do que em 2015, reflexo das reduções da produção de soja e da quebra na produção de milho.
O estado terminou o ano com a segunda maior participação na produção agrícola, respondendo por 13,8%, uma baixa de 0,1 ponto percentual na comparação com 2015. Na sequência, aparecem o Paraná (12,6%), Rio Grande do Sul (12,1%) e Minas Gerais (12%). São Paulo continua sendo o estado mais representativo, sendo o responsável por 16,4% de todo o montante nacional.
Em relação a lavouras permanentes, Mato Grosso conseguiu um valor de produção de R$ 327,4 milhões, uma variação para cima de 21,8% em relação ao ano anterior e que representou apenas 0,6% do montante nacional. A área plantada ficou em 56,5 mil hectares, sendo que a área colhida foi de 47,1 mil hectares.
No caso das lavouras temporárias, os municípios mato-grossenses conseguiram um valor da produção de R$ 43,3 bilhões, um aumento de 18,8% do montante anterior. O valor representa 16,6% do total do país. A área plantada das culturas temporárias ficou em 14,4 milhões de hectares, sendo que a área colhida ficou em 14,2 milhões de hectares.
Mato Grosso continua como destaque na produção de grãos - soja, milho e algodão - e junto com o Paraná e Rio Grande do Sul correspondem a 61,8% da produção total nacional. Em 2016, o Estado colheu 26,3 milhões de toneladas de grãos em 9,1 milhões de hectares, com rendimento médio de 2,8 mil kg/ha, abaixo do rendimento de 1,1 mil kg/ha de 2015.

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.