Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT


Usar logotipo da Receita Federal em fachada de escritório contábil é crime
Independente de causar confusão, o uso particular indevido de marcas, logotipos, siglas ou símbolos que identificam órgãos da administração pública é crime de falsificação de sinal público, tipificado no artigo 296, parágrafo 1º, inciso III, do Código Penal. A publicidade do sinal inscrito no tipo penal não afasta a constatação de dolo, uma vez que a exposição ou circulação de sinal ou de selo são inerentes ao objeto material.
O fundamento levou a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região a confirmar, na íntegra, sentença que condenou a 2 anos de prisão o dono de uma assessoria contábil, por utilizar o símbolo da Receita Federal na fachada do prédio e no seu material de divulgação (cartazes, calendários e cartões de visita). Na dosimetria, a pena foi substituída por medidas restritivas de direito, como prestação de serviços à comunidade, pagamento de três salários-mínimos e multa.
O empresário, que vive e trabalha em Araucária (PR), se defendeu da acusação feita pelo Ministério Público Federal. Na contestação, pediu o reconhecimento de atipicidade da conduta ou a aplicação do princípio da insignificância, por considerar a lesão ao bem jurídico tutelado pela norma contida no artigo 296, parágrafo 1º, inciso III, do Código Penal. Destacou a ausência de dolo, afirmando que a utilização do logotipo da Receita se deu de forma pública, pois em nenhum momento tentou ocultar a sua prática diante das autoridades e dos órgãos de fiscalização. Por fim, alegou “erro de proibição”, por acreditar que não estava incorrendo em prática ilícita.
Condenação
A juíza substituta Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, disse que a conduta descrita é indevida pois é lesiva à fé pública. Ou seja, para a juíza, a intenção era que as pessoas, ao se depararem com o símbolo oficial da Receita Federal na fachada, acreditassem se tratar de estabelecimento oficial ou de profissional credenciado
Na sua percepção, trata-se de crime comum, formal (que não exige “resultado naturalístico”) e praticado de forma livre (pode ser cometido por qualquer meio). Assim, ainda que o acusado não seja integrante da Administração Pública e não tenha obtido qualquer vantagem ou causado prejuízo efetivo a terceiros, a mera utilização indevida do símbolo já caracteriza o delito.
“Muito embora as testemunhas tenham sido unânimes em afirmar que o fato de o escritório de contabilidade do acusado utilizar o símbolo da Receita Federal não os levou a acreditar que naquele local funcionava uma unidade do referido órgão, a utilização indevida do símbolo efetivamente ocorreu, o que por si só, já caracteriza a prática da conduta de fazer uso indevido de símbolo identificador de órgão da Administração Pública”, repisou a julgadora.
Por último, a juíza rebateu a alegação de “erro de proibição”, quando o agente supõe permitida uma conduta proibida. “A alegação de desconhecimento da lei por pessoas de pouca instrução, sobre matérias não afetas às suas atividades comuns, é plausível. No entanto, quando tal alegação procede de um profissional de nível superior, formado em Contabilidade, com vários anos de experiência e cujos serviços eram afetos à Receita Federal, não há como acolhê-la

Notícia da hora

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.