Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

ReproduçãoCerca de 50 professores de Salas de Recursos Multifuncional - Atendimento Educacional Especializado (AEE) da rede estadual de educação de Cuiabá, Várzea Grande e do interior do Estado, que atendem alunos surdos inclusos no ensino regular, participam até a próxima segunda (09) do Curso de Formação Continuada em Língua Brasileira de Sinais (Libras).
Realizado pela Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc), em parceria com o Ministério da Educação (MEC/FNDE), no Hotel Mato Grosso Palace, em Cuiabá, a formação tem como objetivo subsidiar os profissionais no processo de inclusão dos alunos surdos, da comunicação entre a comunidade escolar e de aprendizagem da segunda língua desses estudantes, a língua portuguesa.
“Os profissionais das Salas de Recursos estão em contato direto com os estudantes surdos. Esse atendimento é diferenciado, pois o aluno não ouvinte utiliza códigos e o professor precisa compreender essa ferramenta para oferecer um ensino de qualidade e, consequentemente, para que o estudante tenha um aprendizado de qualidade. Aqui, eles vão aprender, além de Libras, a como trabalhar a dificuldade desse aluno e a pedagogia para que ele possa aprender”, destacou o coordenador de Diversidade da Seduc, Admilson Mário de Assunção.
O professor ressaltou que, atualmente, a rede estadual de educação atende cerca de 500 alunos surdos em todo o Estado e que esta é a primeira etapa do curso, que prevê ainda mais duas fases (de 23 a 30 de outubro e de 06 a 11 de novembro), com carga horária de 60 horas cada.
As aulas serão ministradas pelo professor, pedagogo e mestre Gilmar Garcia Marcelino, graduado em Licenciatura em Letras Libras na Universidade Federal de Santa Catarina-Florianópolis (2010), com especialização em Métodos e Técnicas de Ensino na Universidade Salgado de Oliveira em Niterói (2007) e mestre em Estudos de Tradução na Universidade Federal de Brasília (2016).
Inclusão
Uma das participantes do evento, Nilcéia Silva Pinto, professora formadora do Centro de Formação e Atualização de Profissionais da Educação Básica (Cefapro) de Alta Floresta, avaliou como positiva a formação e destacou que a realização vem ao encontro da necessidade de capacitação dos profissionais que trabalham com educação especial, especificamente nas salas de recursos.
“Nós sentimos a necessidade de ampliar nossos conhecimentos, principalmente para atender os alunos surdos. Muitas vezes, esse aluno chega à escola e os professores entram em desespero, sem saber como proceder. Acredito que todos sairão do curso empolgados para ofertar o seu melhor aos estudantes”, frisou a educadora, ressaltando a importância de os professores se prepararem antes da chegada desse aluno.
Nilcéia é mãe de um jovem com síndrome de down e espectro autista e sentiu as adversidades do filho quando ele foi para o ensino regular na rede estadual de ensino. “Ele tem bastante dificuldade para desenvolver o processo cognitivo, mas foi de grande valia ter a oportunidade de estar presente na mesma sala que os demais e receber a atenção adequada dos educadores”, relatou.
Presente na abertura do evento, o superintendente da Pessoa com Deficiência da Casa Civil, Marcione Mendes de Pinho, ressaltou o valor da formação dos professores e lembrou que a Língua Brasileira de Sinais é a segunda língua oficial do país. “Se esses estudantes não puderem ser ouvidos pela forma de comunicação deles, como é que serão inclusos na escola, no trabalho, na sociedade em si?”, questionou.
Pinho, que tem filho com deficiência auditiva, lembrou de seus anos de luta, principalmente frente à pasta, para que as políticas públicas para a pessoa com deficiência fossem aplicadas e respeitadas. “É preciso valorizar a língua e as diferentes metodologias, para que a inclusão da pessoa surda aconteça”, finalizou.
 Seduc-MT
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.