Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O número de alunos brasileiros que ingressaram em cursos de licenciatura presenciais caiu 10% entre 2010 e 2016, é o que aponta uma pesquisa do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp)

O número de alunos que ingressaram em cursos de licenciatura presenciais caiu 10% entre 2010 e 2016, é o que aponta uma pesquisa do Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior (Semesp). No mesmo período, o número de concluintes desses cursos caiu 7,6%.

Os dados fazem parte do Panorama de Empregabilidade dos Concluintes no Ensino Superior, sendo apresentados nesta quarta-feira (8), na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. Segundo o estudo, 39,5% dos formandos em cursos de licenciatura estão trabalhando na sua área de atuação.
“É um problema muito grave, porque hoje os alunos que optam pelas licenciaturas e escolhem seus cursos por preço e não por vocação. A grande maioria busca pedagogia e as diversas áreas da formação como para professores de matemática, ciências, física, química, os ingressantes caem ainda mais a cada ano”, alerta o diretor executivo do Semesp, Rodrigo Capelato.
Panorama
No âmbito geral, a pesquisa mostra que 47% dos alunos que concluíram a graduação estão trabalhando em sua área de formação. Outros 18,7% trabalham em uma área diferente da que se formaram e 34,3% não estão trabalhando.
O estudo também registrou um aumento no número de concluintes com renda inferior a três salários mínimos. No caso de estudantes na faixa de até 1,5 salário mínimo, o aumento foi 4,7 pontos percentuais e para alunos com renda entre 1,5 e 3 salários, houve crescimento de 3,4 pontos.
Mapa
O Semesp também apresentou nesta quarta-feira o Mapa do Ensino Superior no Brasil, que mostrou um aumento de 9,3% no número total de concluintes em cursos presenciais no Brasil. Em 2014, foram 841 mil alunos e em 2015 passou para 919 mil. O número de concluintes nos cursos a distância cresceu 23% de 2014 a 2015, passando de 190 mil para 234 mil.
De acordo com o estudo, os postos de trabalho para quem tem curso superior aumentaram 1,5%, chegando a 9,7 milhões de empregos em 2015. A remuneração média total de quem tem ensino superior completo ficou em torno de 5,7 mil reais.
Falta de professores
Em relação à falta de professores, o diretor executivo do Semesp explicou que 40% das matrículas estão concentradas nos cursos de Direito, Administração, Engenharia Civil e Enfermagem. Entre 2010 e 2016, os bacharelados cresceram 28%, enquanto as licenciaturas tiveram uma queda de 5%. Rodrigo Capelato sugeriu mudanças nos currículos:
"Sei que isso é bastante polêmico, mas não seria o caso de rever a obrigatoriedade de se exigir mais um ano de licenciatura da pessoa que fez um bacharelado na área de química, ou na área de história, de física; para ela poder lecionar na educação básica?”, indagou.
Capelato também afirmou que o Brasil corre o risco de ter um "apagão" de professores em um futuro próximo por causa da concentração de matrículas em cursos de bacharelado e a aparente falta de interesse em cursos de licenciatura. Ele também criticou a falta de estímulos para a busca por cursos de graduação tecnológica como acontece em países mais desenvolvidos.
Fonte:IG
Marcadores: ,

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.