Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Apenas os deputados Allan Kardec (PT), Valdir Barranco (PT), Janaina Riva (PMDB) e Wancley Carvalho (PV), votaram contra a PEC. Já os parlamentares Gilmar Fabris (PSD) e Wilson Santos (PSDB) estavam ausentes.

   Mostrando força da base de sustentação do Governo, por 18 votos a quatro a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) aprovou em segunda votação a Proposta de Emenda Constitucional - PEC do Teto dos Gastos Públicos.
   Sob o argumento de garantir o equilíbrio das receitas públicas e evitar um colapso financeiro nos próximos anos que possa comprometer até mesmo o pagamento salarial dos servidores públicos, prioritário na administração pública, o governo Pedro Taques (PSDB) pretende uma economia de até R$ 1,3 bilhão no biênio 2017/2018.   
   Apenas os deputados Allan Kardec (PT), Valdir Barranco (PT), Janaina Riva (PMDB) e Wancley Carvalho (PV), votaram contra a PEC. Já os parlamentares Gilmar Fabris (PSD) e Wilson Santos (PSDB), que retornou ao Legislativo para a votação, estavam ausentes. 

   O Deputado Max Russi também participou da votação após deixar a Casa Civil exclusivamente para esta votação.

   Agora a redação final da PEC irá para a votação ainda nesta quarta-feira (25) durante a sessão plenária vespertina. 

O que é PEC do Teto dos Gastos?

   O Teto de Gastos limita as despesas com pessoal e custeio (despesas primárias) de todos os Poderes do Estado. Atualmente, o gasto com pessoal consome 49% da Receita Corrente Líquida (RCL) do Estado. O valor foi ajustado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) para 45% após efeitos da resolução que retirou a Defensoria Pública dos gastos do governo estadual. Com a PEC, a previsão do governo é que o custo com a folha fique em 44% até 2023. Outro alívio de caixa seria a economia de quase R$ 1,3 bilhão, que é o pagamento anual que o governo faz à União, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e outros bancos. 

   Já o duodécimo repassado a Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas do Estado (TCE), Tribunal de Justiça e Ministério Público Estadual (MPE) serão corrigidos somente pelo índice da inflação do ano anterior. 

   A aprovação da PEC do Teto dos Gastos foi uma condicionante proposta pelo governo federal para que seja autorizada a adesão no Plano de Recuperação Fiscal (PRF). Isso vai permitir a Mato Grosso a suspensão do pagamento da dívida com a União pelos próximos três anos, gerando economia superior a R$ 500 milhões. 

   O teto atende a uma exigência da Lei Complementar 156, que trata do regime de recuperação fiscal dos Estados e exige que, nos anos de 2018 e 2019, as despesas primárias sejam limitadas a valor empenhado em 2016. No caso de Mato Grosso, isso corresponde a R$ 16 bilhões, corrigidos pela inflação. Com o teto de gastos em vigor, os Estados poderiam renegociar suas dívidas com a União. 
Fonte: Hipernotícias
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.