Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT


Desembargadora Helena Maria contraria opinião da colega Antônia Gonçalves, que não havia visto  falhas


tjmt.jpgA desembargadora do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), Helena Maria Bezerra Ramos, deferiu um recurso e suspendeu a homologação de uma licitação de mais de R$ 9,1 milhões realizada no próprio Poder Judiciário Estadual. A decisão, proferida no último dia 14 de novembro, ainda será analisada no mérito pelo Tribunal Pleno, que é a instância deliberativa no Judiciário, composta por todos os seus desembargadores.
Para a magistrada, existem suspeitas de fraudes no procedimento licitatório. “Defiro, em parte, a tutela de urgência para determinar ao ordenador de despesas a não homologação do certame licitatório em questão e consequente celebração contratual, a fim de que as supostas ilegalidade sejam analisadas pelo Tribunal Pleno, mantendo-se, contudo, o prosseguimento da sessão pública”, disse a magistrada.
A decisão segue linha contrária ao entendimento da também desembargadora Antônia Gonçalves Rodrigues, que relatou o mandado de segurança interposto pelo Sindicato das Indústrias Gráficas do Estado de Mato Grosso, que alega vícios no procedimento licitatório. O sindicato apontou exigências previstas em edital para certificações que poucas empresas estaduais possuem, como Forest Stewardish Council (FSC), o Programa Nacional de Certificação Florestal (Cerflor) e o Programa de Reconhecimento de Sistemas de Certificação Florestal, prejudicando o caráter competitivo da disputa.
Na sentença do recurso, Helena Maria Bezerra Ramos reconheceu que a exigência das referidas certificações restringiria a concorrência entre as empresas. “Nesse cenário, a priori, em análise dos fundamentos do recurso, vislumbra-se que assiste razão ao agravante, pois a obrigatoriedade quanto a comprovação da certificação de origem florestal, restringiria a concorrência, violando, desta forma, os princípios da razoabilidade, legalidade e eficiência da administração pública”, disse a magistrada.
Maria Helena Ramos explicou que a decisão anterior de não suspender a homologação da licitação, deveria ser retratada em razão de indícios que levam a crer sindicato, de fato, possui o direito pleiteado. “Assim, sob uma ótica diversa, entendo que deve ser retratada a decisão que indeferiu a liminar no mandado de segurança, pois, conforme destacado, é aparente a presença do fumus boni iuris”, diz outro trecho da decisão.
SERVIÇOS GRÁFICOS
Segundo informações do edital 016/2017, o valor do negócio esta estipulado em R$ 9.110.186,99 milhões e prevê o fornecimento de 900 mil capas de cartolina, 40 mil calendários, 310 mil folders, 40 mil livretos e outros produtos. O objeto do certame é a prestação de serviços especializados em impressão e acabamento de material gráficol. “Esta licitação tem por objeto o registro de preço para futura e eventual contratação de pessoa jurídica para prestação de serviços especializados em impressão e acabamento de material gráfico para o Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso”.

Fonte: Folha Max

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.