Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Foto: DivulgaçãoFoto: Divulgação
A obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em construção no Rio Teles Pires, na divisa dos estados do Mato Grosso e do Pará, a usina de São Manoel, ainda passa por forte tensão, Índios da etnia munduruku cobram a demarcação e homologação da Terra Indígena Sawré Muyubu. Os estudos de identificação e delimitação da área de 178 mil hectares (cada hectare corresponde a, aproximadamente, as medidas de um campo de futebol oficial) foram aprovados e publicados pela Fundação Nacional do Índio (Funai) em abri do ano passado, nove anos após o início do processo de demarcação. Está localizada nos municípios de Itaituba e Trairão, no Pará.
Além de outras reivindicações, os mundurukus exigem que a aprovação de qualquer obra em território indígena ou em área que cause impacto aos povos indígenas sejam submetidos à consulta e aprovação prévia das comunidades tradicionais, conforme estabelece a Convenção 169, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da qual o Brasil é signatário. E, como reparação pelo impacto causado pelas obras, pede que seja criado um fundo ao qual as empresas destinem recursos para a construção de uma universidade indígena na região; para a proteção dos locais sagrados e para a preservação da cultura munduruku.
Em julho a etnia ocuparam o canteiro de obras prometendo não deixar o local até que o governo e o consórcio atendessem suas reivindicações. A mobilização durou 4 dias de ocupação as obras permaneceram paradas. A etnia encerrou, após reunião realizada entre os indígenas, a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Ministério Público Federal (MPF) e os representantes das empresas responsáveis pelas Usinas Hidrelétricas de São Manoel e Teles Pires.
No início de outubro os indígenas ameaçaram invadir o canteiro de obras da São Manuel novamente, eles reclamam de impactos da obra ao rio Teles Pires. Uma equipe da Força Nacional Brasileira foi enviada para evitar a invasão de indígenas, o contingente foi enviado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em atendimento a solicitação do Ministério de Minas e Energia (MME). O aval ao uso das tropas foi divulgado pela no Diário Oficial da União, o Ministério da Justiça explica que o emprego da Força Nacional foi requerido pelo Ministério de Minas e Energia “no intuito de prevenir quaisquer ocorrências que possam por em risco a segurança dos envolvidos, a ordem pública ou a continuidade das obras”. 
A usina de São Manoel, orçada em cerca de R$ 3 bilhões, terá 700 megawatts em capacidade. As obras estão em fase final, com expectativa das empresas de iniciar a geração de energia no primeiro trimestre de 2018.
É certo que a usina vai representar um boom de desenvolvimento em Paranaíta e todo o Nortão de Mato Grosso, além do Sul do Pará.
 Jose Lucio Junqueira/Nativa News
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.