Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

A remota chance do São Paulo conquistar uma vaga na Copa Libertadores da América de 2018 era quase que palpável até os 43 minutos do segundo tempo da partida contra o Bahia na tarde desse domingo. Brenner tinha tudo para ser o herói dos 60.485 torcedores que foram ao Morumbi para apoiar o time nesta 38ª e última rodada do Campeonato Brasileiro, mas um gol de Júnior Brumado nos instantes finais do confronto direto acabou com o sonho dos são-paulinos, que diante dos tropeços dos outros rivais, acabaria com a nona colocação e, assim, dependeria de um eventual título do Flamengo na Copa Sul-Americana para herdar a última vaga.
Para quem passou a maior parte da competição lutando contra a zona de rebaixamento, seria um enorme presente de Natal disputar a competição continental. Entretanto, com o empate por 1 a 1 no retorno ao Cícero Pompeu de Todedo, onde a equipe não atuava desde 1º de outubro, o São Paulo acabou mesmo foi na 13ª posição, com 50 pontos, assim como o Esquadrão de Aço, que com a mesma pontuação ficou em 12º e também deu adeus ao anseio de disputar a Libertadores depois de 19 anos.
Ficou também um sentimento de frustração pela despedida de Diego Lugano. Um dos maiores ídolos da história do São Paulo, o zagueiro foi homenageado com a titularidade nesse domingo, fez uma partida segura, mas teve de se despedir de uma torcida que o ama sem muito o que comemorar.
Com toda a euforia em torno do ídolo uruguaio, o jogo, em alguns instantes, parecia ter ficado em segundo plano. Mesmo com a necessidade da vitória por parte das duas equipes em função do sonho de se chegar a uma vaga na próxima edição do torneio continental depois de um campeonato em que o rebaixamento fora a maior preocupação, o que se viu em campo foi uma falta de inspiração atenuante.
Um pedido de pênalti de Lugano após cobrança de escanteio e um chute cruzado de Allione direto para fora foi o que de melhor se viu nos primeiros 45 minutos. Sorte que o futebol proporciona o intervalo para o descanso dos atletas e para que os técnico arrumem o que está errado.
Assim, a etapa final veio para dar ao torcedor o que ele esperava de São Paulo e Bahia desde o início. Com menos de um minuto, Lugano levou seu amarelo para casa e deve ter agradecido quando Stiven Mendoza se ‘embananou’ todo com a bola na cara de Sidão.
A resposta dos donos da casa foi imediata e a altura. Shaylon viu a bola quicando na sua frente e emendou um canudo sem chances para Jean, que voo na bola, mas só pôde ouvir o barulho da explosão no travessão.
O gol parecia questão de tempo, independente de quem fosse. O jogo era lá e cá. Até que Renê Júnior e Jean protagonizaram uma cena no mínimo infantil. O volante acabou tocando para trás e o goleiro, ao invés de usar os pés, resolveu encaixar a bola, caracterizando o recuou proposital.
Era a chance que o São Paulo precisava. Na cobrança do tiro livre indireto dentro da área, o garoto Brenner chamou a responsabilidade e bateu firme, de chapa, para estufar as redes e fazer o Morumbi explodir. Na comemoração, o jovem correu para o gigante brasão do clube à beira do campo, onde fora abraçado pelos companheiros.
O gol fez bem ao São Paulo, que desde então passou a dominar completamente a disputa em um momento que o Bahia mal conseguia passar o meio de campo. Mas, se um vacilo do lado de lá foi fatal, o mesmo aconteceu do lado de cá.
Quando tudo parecia caminhar para uma vitória tranquila e que daria ao São Paulo a chance real de levar uma das vagas à Libertadores, um lance de bola parada, uma cobrança na segunda trave fez com que tudo fosse por água abaixo. Júnior Brumado, que havia entrado há pouco, cabeceou para gol e Sidão sequer saltou na bola. Festa do Esquadrão e silêncio total no Morumbi.
A torcida só voltou a se manifestar no último lance do jogo, quando o goleiro Jean, que interessa ao São Paulo, foi até a entrada da área adversária para cobrar uma falta. A bola na barreira e o rebote sob domínio dos donos da casa fizeram a esperança de um gol salvador surgir, mas o árbitro encerrou a partida depois de um carrinho forte do jogador são-paulino e levou o Morumbi à loucura.
Dessa forma, o São Paulo se despediu da temporada de 2017 sem muito o que comemorar e Diego Lugano não deixou o clube nesta sua segunda passagem como imaginava, talvez, mas, de qualquer forma, foi para casa levando muitas homenagens e aplausos de uma massa que o idolatra.

Fonte: Gazeta Esportiva (foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.