Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Repúdio Depois da aprovação da lei na AL, no dia seguinte a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) emitiu nota solicitando ao Poder Executivo de São Paulo um veto PL.

      O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSBD) vai vetar o Projeto de Lei (PL) Nº 87/2016, que proíbe o fornecimento de carne nos restaurantes de órgãos públicos nas segundas-feiras. O projeto foi alvo de repúdio da pecuária mato-grossense na última semana.
A afirmação do tucano foi feita nesta terça (2) no programa Mercado & Companhia, no Canal Rural. A “Segunda Sem Carne” é uma proposição do deputado estadual Feliciano Filho (PSC) e foi aprovada na AL paulista em 27 de dezembro. Para virar lei, ela dependeria da aprovação do governador, o que não deve acontecer.
“Nada impede a população de substituir a proteína animal pela vegetal. O que não deve acontecer é uma lei interferir na decisão pessoal da comunidade em relação à alimentação. Nós já temos algumas escolas que não oferecem carne às segunda-feiras, por exemplo, e há um cardápio alternativo, mas proibir o consumo não parece adequado”, argumenta Alckmin.
Ele afirma que, além de inconstitucional, a medida é um exemplo de excesso de intervenção do Estado na vida das pessoas. O gestor diz também que a decisão de quais alimentos serão fornecidos nas escolas, por exemplo, é tomada pelo Executivo e não pelo Legislativo.
PL
A “Segunda Sem Carne” estava tramitando na AL em São Paulo em regime de urgência e começou a andar em 25 de fevereiro do ano passado, quando houve a publicação no Diário da Assembleia.
O artigo 1º pontua que a norma deverá ser cumprida em restaurantes, lanchonetes, bares, escolas, refeitórios e similares que exerçam atividades nos órgãos públicos do Estado. Em seu texto, o PL diz que nas segundas feiras fica proibido o fornecimento da carne, mesmo que gratuitamente, em todos esses estabelecimentos.
Para justificar a necessidade da aprovação da medida ainda é exposto na norma que o consumo de carne está diretamente relacionado a questões como o direito dos animais, à crise ambiental, ao aquecimento global, à perda da biodiversidade e às diversas doenças. O texto afirma que cerca de 70 bilhões de animais terrestres são mortos por ano para alimentar os seres humanos.
Repúdio
Depois da aprovação da lei na AL, no dia seguinte a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) emitiu nota solicitando ao Poder Executivo de São Paulo um veto PL. A entidade mato-grossense classificou o PL como “uma interferência à liberdade de consumo”.
Representantes da pecuária no estado com o maior rebanho bovino do Brasil, a Acrimat afirmou também que se a norma fosse aprovada pelo governador, prejudicaria a economia do país. O fato iria interferir diretamente no mercado bovino, regido pelo direito de produção, compra e venda de produtos lícitos, de acordo com a entidade.
Fonte: rdnews
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.