Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT



O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), transferiu de janeiro a novembro do ano passado, o valor de R$ 2,3 bilhões às prefeituras. O valor é referente ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e é 10,7% superior ao repassado no mesmo período de 2016, quando foram creditados R$ 2,2 bilhões ao orçamento das prefeituras.
O FPM é composto pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) e Fundo Partilhado de Investimentos Sociais (Fupis), cuja fonte é o governo do Estado. Além disso, também estão inclusos o Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e o Fundo de Exploração de Petróleo (FEP), provenientes da União.
Nessa composição, o ICMS representa 85% do total repassado aos municípios em 2017, com R$ 2 bilhões. O imposto é a maior fonte de arrecadação própria do Estado. Em seguida, com R$ 321,8 milhões, está o IPVA que corresponde a 13% dos repasses.
O Fupis repassado no período somou R$ 504,8 milhões. Na sequência vem o IPI e o FEP, com R$ 14,2 milhões e R$ 1,2 milhão, respectivamente.
De acordo com a assessoria da Sefaz, os valores repassados por meio do FPM compõem uma importante fonte na formação orçamentária dos municípios. Além disso, o recurso garante que os prefeitos utilizem a verba de acordo com as demandas municipais, como folha de pagamento, obras de infraestrutura, pagamento de contas e investimentos.
Os repasses do FPM são realizados no decorrer de cada mês. Em novembro, o Governo transferiu aos cofres municipais R$ 214,6 milhões. Desse valor, R$ 202,3 milhões são referentes ao ICMS. Outros R$ 10,8 milhões são do IPVA e R$ 17,1 milhões do Fupis. Já o IPI somou R$ 1,3 milhão e o FEP R$ 124,3 mil.
Essas informações constam no Diário Oficial do Estado (DOE) que circulou no dia 26 de dezembro.

Fonte: Só Notícias (foto: assessoria/arquivo)

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.