Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Foto: Reprodução
Quarenta dias antes de ser assassinado, em dezembro de 2017, o prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes comunicou o Ministério Público do Estado que não iria efetivar a médica Yana Fois, apontada como a mandante da execução dele, porque ela não havia sido aprovada no concurso e nem renovaria o contrato de prestação de serviços com a Clínica Médica e Pediátrica Alvarenga Eireli – Epp, da qual ela era médica responsável.
De acordo com o MP, há indícios de que os fatos estejam relacionados. As informações constavam no documento de abertura de processo investigativo, assinado pelo procurador Willian Aguido Ogama, no dia (8) de janeiro.
O prefeito havia dito que daria preferência para médicos concursados, ao invés da clínica de Yana.
O Ministério Público também pontuou que Yana não alcançou nota necessária no concurso realizado pela Prefeitura para os cargos de médico geral e pediatra – conforme edital.
A recusa da renovação com os serviços prestados pela empresa consta em ofício, encaminhado pela Prefeitura à médica no dia (6) de novembro.
O documento foi obtido pelo RepórterMT, junto ao Diário Oficial Eletrônico dos Municípios.
Assessoria
Assassino prefeito
Quatro pessoas envolvidas no assassinato estão presas.
Todos os apontamentos feitos foram observados, e que o motivo da não homologação se justifica pela atual situação econômica que vive o município, e ainda pelo motivo de termos um concurso público com os médicos que atenderam esta municipalidade por um preço muito inferior ao preço que pagaríamos caso homologássemos e contratássemos a referida empresa”, consta no ofício.
A empresa da médica faturava, no período contratual de 12 meses, o montante de R$ 775.200,00, para prestação de serviços médicos, atendendo no hospital municipal André Maggi e no distrito Guariba no município de Colniza.
PJC
Prefeito morto
Prefeito foi perseguido e morto em Colniza.
Mandante do assassinato
A médica Yana Fois foi presa após depoimentos em que foi apontada como mentora da execução.
Envolvidos no assassinato revelaram que a médica conhecia os assassinos e mandou o marido os contratar no Estado de Goiás, além de ter dado todo suporte para a execução do crime em Mato Grosso.
Participaram do assassinato, além da médica, o marido dela Antônio Pereira Rodrigues Neto e os executores do crime Zenilton Xavier de Almeida e Welison Brito Silva.
O crime
No dia 15 de dezembro, o prefeito conduzia uma Toyota SW4 preta quando foi interceptado pelos criminosos, cerca de 7 quilômetros da entrada da cidade. O veículo foi ao encontro da caminhonete, momento que foram efetuados vários disparos contra o prefeito Esvandir que ainda conseguiu dirigir, mas morreu no perímetro urbano, na BR 174, esquina com a Rua 7 de Setembro. Outros dois disparos feriram o secretário Admilson Ferreira dos Santos, sendo um na perna esquerda e outro nas costas.
Raul Bradock RepórterMT
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.