Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Bens públicos não devem ser cedidos à iniciativa privada, constituindo privilégio e favorecimento indevido a particulares. Este foi o entendimento do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, em apreciação pelo Tribunal Pleno, ao deferir liminar em Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) sobre a Lei Municipal nº. 454/2013, do município de Feliz Natal (536 km ao norte de Cuiabá).

A Lei promulgada pelo prefeito autorizava o Poder Executivo Municipal a prestar serviços junto à iniciativa privada, com a cessão de máquinas e equipamentos do município, caracterizando assim violação expressa aos princípios constitucionais da impessoalidade e moralidade, elencados no artigo 129 da Constituição do Estado de Mato Grosso.

O subprocurador-geral de Justiça Jurídico e Institucional de Mato Grosso ingressou com pedido de Liminar Direta de Inconstitucionalidade objetivando a suspensão de eficácia da norma.

Por unanimidade, a decisão segue a posição da relatora, desembargadora Cleuci Terezinha Chagas Pereira da Silva. Conforme a magistrada, o Administrator não detém a livre disposição sobre os bens públicos, não sendo lícita a utilização de equipamentos públicos para satisfação de interesses privados.

A desembargadora entendeu que os bens públicos especiais estavam sendo cedidos aos particulares, deixando de lado a impositiva necessidade de formalização de contrato administrativo, desprotegendo, assim, o interesse público.

O receio que a demora da decisão judicial causasse um dano grave ou de difícil reparação ao bem tutelado impôs medida de urgência na Ação Direta de Inconstitucionalidade, a fim de suspender a eficácia da Lei municipal. “Assim, considerando que o maquinário e equipamentos são bens de uso especial do ente público municipal, estando, portanto, afetado à prestação de serviços públicos, não há como concedê-los para o atendimento de interesse exclusivamente privado, conforme previsto na norma”, afirma a relatora na liminar.

Fonte: Nortão Notícias 
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.