Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O preço salgado dos ovos de Páscoa é culpa dos impostos?
Páscoa está chegando e com ela a reclamação de que os ovos de chocolate estão ficando caros demais. A culpa é dos impostos? Em parte, segundo um estudo encomendado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT).
Cerca de 38,53% do preço final do ovo é composto por impostos, taxas e contribuições, o que significa cerca de R$ 15,40 em um produto que custa R$ 40. “As taxas de impostos incidentes sobre os produtos de Páscoa são elevadas. O consumidor precisa ficar atento e ter consciência do quanto está pagando”, aponta Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), em nota para a imprensa.
A carga tributária também é alta em outros produtos associados a este período festivo, como o coelho de pelúcia (29,92%) e o bacalhau importado (43,78%). A carga chega a superar metade do preço final em bebidas como o vinho nacional (54,73%) e o vinho importado (69,73%). “Se a carga tributária incidente sobre esses produtos não fosse tão elevada, o brasileiro teria condições de consumir mais e melhor nesta época do ano”, diz João Eloi Olenike, presidente-executivo do IBPT, em nota.
Comer fora também não resolve, já que o almoço em restaurante tem 32,31% de peso em tributos, chegando a 39,61% no chocolate, 38,68% na colomba pascal e 37,61% no bombom.

Carga tributária

O brasileiro precisou trabalhar, em média, aproximadamente 123 dias do ano passado só para pagar impostos. O montante de R$ 2,2 trilhões extraído compulsoriamente da sociedade pelo governo representou um custo médio por habitante de R$ 10.620.
Com isso, a carga tributária subiu para 33,63% do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado, uma leve alta em relação aos 33,29% de 2016. Os números foram calculados pelos economistas José Roberto Afonso e Kleber Pacheco de Castro e divulgados no último dia 12 de março.
Os chamados tributos indiretos responderam por 45% do total arrecadado contra apenas 25% dos impostos diretos.
Isso significa que o sistema é regressivo e com isso o peso dos impostos acaba recaindo mais fortemente sobre as classes mais baixas, alimentando a desigualdade, ponto também destacado pela nota de João Eloi Olenike.
Fonte:Exame.com
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.