Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Movimentação com soja supera em 32% no ano passado; a de milho tem alta de 75% em 2017

Trem de grãos para carregamento em navio em terminal do porto de Santos (SP) - Guilherme Kastner - 20.fev..18/Folhapress
Trem de grãos para carregamento em navio em terminal do porto de Santos (SP) - Guilherme Kastner - 20.fev..18/Folhapress

A grande safra de grãos do ano passado fez bem para a indústria ferroviária, o que poderá ocorrer também neste ano, uma vez que o país voltará a obter mais uma boa produção nas lavouras.
 
Em 2017, as ferrovias movimentaram 30 milhões de toneladas de soja para os portos, 32% mais do que em 2016.
 
O movimento com milho teve uma aceleração ainda maior, com evolução de 75% no ano. Passaram pelos vagões dos trens 18 milhões de toneladas do cereal.
 
O movimento na indústria ferroviária acompanha a boa evolução da produção brasileira de grãos, que atingiu patamar recorde de 240 milhões de toneladas em 2017. A produção de soja somou 114 milhões de toneladas e a de milho beirou os 100 milhões.
 
Para Fernando Paes, secretário-executivo da ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários), há uma coincidência entre a boa safra agrícola e um aumento de capacidade de transporte da malha ferroviária nos últimos anos.
 
O ganho na capacidade de transporte das empresas ferroviárias no país ocorre devido a duplicações, obras de contornos e investimentos em tecnologia, segundo o diretor-executivo da associação.
 
“Uma mesma composição hoje pode rodar com um número maior de vagões, ganhando capacidade. Além disso, algumas empresas reduziram o intervalo entre as viagens dos trens”, afirma o diretor-executivo.
 
Paes estima, porém, que o setor poderá ter dificuldades em acompanhar a demanda da agricultura nos próximos anos. Dados do Ministério da Agricultura indicam que o país poderá atingir 300 milhões de toneladas de grãos em uma década.
 
As ferrovias, para manter investimentos de longo prazo e acompanhar o setor agrícola, precisariam de uma prorrogação antecipada das concessões. Algumas começam a vencer em 2026, segundo o diretor da ANTF.
 
O volume de grãos transportado pelas ferrovias na última década mostra que a agricultura avançou por novas regiões e criou demanda específica para o transporte ferroviário.
 
Em 2007, o porto de Paranaguá (PR) embarcava 22% da soja que saía do Brasil, um volume próximo do do porto de Santos (SP). Em 2017, a participação de Paranaguá foi de 10%, e a do porto santista, de 44%.
 
O porto de Itaqui (MA), que participava com apenas 7% dos embarques de soja em 2007, tem atualmente 14%.
 
Santos é líder em exportações de grãos transportados por ferrovias, abocanhando 68% do volume do país. Itaqui vem a seguir, com 9%.
 
MAIS AGRONEGÓCIO
Além de soja e de milho, o açúcar também tem importância na malha ferroviária. No ano passado, foram transportados 14 milhões de toneladas de açúcar, um volume 2% inferior ao de 2016. A evolução média anual de 2006 a 2017, porém, é de 10%, segundo dados da ANTF.
 
O maior movimento nas ferrovias brasileiras é o de minério de ferro, que chegou a 416 milhões de toneladas em 2017, com evolução de 5% em relação a 2016.
 
De 1997 a 2017, o setor ferroviário investiu R$ 92 bilhões, conforme valores corrigidos pela IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE. 
 
Etanol de milho A produção de etanol de milho deverá atingir 830 milhões de litros neste ano no Brasil, 58% mais do que em 2017, conforme estimativa da consultoria Datagro.
 
Moagem Em 2021, a produção deverá atingir 3 bilhões de litros, com a utilização de 7,1 milhões de toneladas do cereal. Os dados levam em consideram os projetos já em andamento e os que estão para ser instalados.
 
Menos favorável As carnes exportadas pelo Brasil estão com um cenário de preços pior do que o de há um ano. Os três tipos de proteína 
—bovina, suína e de frango— estão com redução nos valores externos de negociações.
 
Suína cai mais A tonelada de carne suína recuou para US$ 2.109 neste mês, com queda de 16% em relação a março de 2017. As carnes bovina e de frango recuaram menos: 4% e 9%.
 
Volume maior  O maior volume exportado de carne bovina está compensando a queda nos preços externos.

Fonte:Mauro Zafalon, Folha de SP
 
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.