Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Equipes da Aprosoja e do Movimento Pró-Logística percorreram cerca de 2.400 quilômetros para avaliar os trechos da rodovia.

Após Estradeiro, APROSOJA considera a BR-174 péssima em condições de trafegabilidade

  As condições de trafegabilidade da BR-174 foram consideradas “péssimas” em grande parte dos trechos, se comparadas ao mesmo período do ano passado, pelas equipes da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e do Movimento Pró-Logística, durante o primeiro Estradeiro de 2018, realizado entre os dias 16 e 20 de abril.
  Condições da BR-174
  No total, o grupo percorreu cerca de 2.400 quilômetros, começando em Cuiabá e passando por Tangará da Serra, Campo Novo do Parecis, Comodoro, Vilhena (RO), Juruena, Aripuanã, Colniza e Brasnorte. Nos municípios de Tangará, Vilhena, Aripuanã e Colniza foram realizados simpósios, que é quando a Aprosoja e o Movimento Pró-Logística fazem apresentações da situação das rodovias estaduais e federais e também ouvem as demandas dos produtores rurais das regiões, informou a Aprosoja/MT em comunicado.
  “As estradas estão em péssimas condições. O pessoal tem feito o que pode, mas vimos poucos maquinários dando manutenção na estrada. Alguns trechos estão bem ruins mesmo. Muitos disseram que o problema deste ano foi o excesso de chuva, mas a situação da BR-174 não está nada boa”, avalia o coordenador da Comissão de Logística da Aprosoja, Diogo Rutilli.
Manutenção da rodovia
  De acordo com o diretor executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz Ferreira, não apenas os trechos federais preocupam. “De Cuiabá para Tangará nós observamos que a MT-256 merece mais atenção do Governo do Estado. Entre Tangará e Itamaraty do Norte, percebemos que a empresa que havia retirado o pavimento não o recolocou e, com isso, muitos buracos foram formados. De Vilhena a Juína, já na BR-174, são 233 quilômetros e este trecho é 100% não pavimentado. Houve uma piora significativa, com erosões preocupantes. A rodovia precisa ser foco urgentemente”.
  Ainda, segundo Ferreira, em 2013, eram gastas seis horas e meia nestes 233 quilômetros. No ano seguinte, após o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) ter contratado a manutenção e encascalhamento, foram gastas duas horas e meia. Neste ano, a equipe do Estradeiro levou quatro horas e meia para atravessá-lo. “Esse trecho precisa de uma atenção muito grande. Isso está limitando o tráfego de caminhões”, completa.
  Outros problemas identificados durante o Estradeiro foram nos trechos entre Juína e Castanheira (40 quilômetros), Castanheira a Juruena (102 quilômetros) e Juruena a Tutilândia (65 quilômetros). “Neste primeiro (MT-170) urge a transferência para o Governo Federal, já que a situação está pior que a do ano passado. No segundo, há vários defeitos na rodovia que merecem atenção. O terceiro, por sua vez, demonstrou estar ainda pior em relação aos dois anteriores”, alerta o diretor.  
Audiência pública
  De acordo com informações divulgadas pela Aprosoja/MT, além da realização de simpósios, a equipe do Estradeiro esteve presente em uma audiência pública, em Juruena, que tratou exatamente de logística. O evento foi promovido pela Frente Parlamentar do Noroeste (FPN), que agrega prefeitos e câmaras municipais de Juína, Colniza, Aripuanã, Brasnorte, Castanheira, Cotriguaçu e Juruena.  

  “Eventos como esse são fundamentais e ficamos felizes em termos participado. Lamentamos a situação dessas rodovias porque o que se pode perceber é que as terras têm teor de argila alto, são terras férteis, e a logística bem aplicada com certeza traria um avanço imenso em termos de produtividade, produção e rentabilidade para os produtores locais. Por tabela, as arrecadações do próprio Estado e dos municípios aumentariam. Esperamos que em um futuro breve essas realidades sejam diferentes”, afirma Diogo Rutilli.
 Fonte: Farming Brasil
Marcadores: , ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.