Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Em Mato Grosso, 11 mortes estão confirmadas por Influenza
Onze mortes por influenza já foram confirmadas esse ano em Mato Grosso. Até o momento são 40 casos confirmados da doença em todo Estado. Os dados fazem parte do Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta quarta-feira (30), que apontam ainda 334 casos suspeitos sendo investigados. Das 11 mortes confirmadas, duas são por influenza A, 4 por H1N1, 3 por influenza A/H3 e duas por influenza B.
Em relação aos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), já são 22 casos confirmados. 
A SES não divulgou as cidades onde as mortes foram confirmadas. De acordo com a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Alessandra Moraes, o vírus com maior circulação atualmente é o H1N1, por isso a vacina contra a gripe é a única forma de imunização. Segundo ela, dentre os casos confirmados no Estado, várias pessoas que fazem parte do grupo de risco estão incluídas. “Por isso a gente reforça que a população procure os postos de vacinação para serem imunizadas. É muito importante que todo o grupo de risco esteja protegido”.
A coordenadora lembra que a influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses que correspondem as estações do outono e do inverno, quando as temperaturas caem. Até o último boletim divulgado no dia 18 de maio, eram 7 mortes, ou seja, mais 4 foram confirmadas no prazo de pouco mais de uma semana.
Das mortes pela Síndrome Respiratória Aguda Grave, a secretaria explica que dos casos notificados o hospital faz especificamente o exame para influenza e o resultado pode apontar algum tipo de vírus. Nos casos em que não são indicados a influenza, outra patologia que não foi apontada pode ter causado a morte, assim alguns casos aparecem morte por influenza e em outros casos por SRAG. Ainda conforme Alessandra, os pacientes com essa síndrome se não forem tratados adequadamente podem ter um quadro de evolução para a gripe influenza.
A profissional da saúde lembra que mesmo vacinada, a população precisa se atentar aos cuidados para evitar contrair a doença. A vacina passa a valer apenas 10 dias após ser aplicada. A pessoa infectada pode transmitir o vírus no período compreendido entre 2 dias antes do início dos sintomas até 5 dias após. A transmissão mais comum é de pessoa para pessoa, por meio de gotículas expelidas ao falar, tossir e espirrar.
Entre as medidas que dificultam a contaminação está a lavagem das mãos com frequência, em especial, antes de preparar ao consumir qualquer alimento, depois de tossir ou espirrar e após usar o banheiro. Além disso, é indicado evitar aglomerações de pessoas e ambientes fechados.
Com apenas 15% dos municípios com a meta atingida, Mato Grosso prorroga a Campanha Nacional de Vacinação contra a influenza até 15 de junho. A previsão era de que a campanha fosse encerrada nessa sexta-feira (1), mas até essa semana o Estado aplicou apenas 557.417 mil doses e atingiu 70% do público-alvo. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é de 90%.
De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), 45% dos municípios do Estado estão com índices entre 70% a 90% e outros 40% registram índices abaixo de 70%. A greve dos caminhoneiros foi apontada como um dos problemas.
Os dados apontam que os menores índices de cobertura vacinal de Mato Grosso estão entre as crianças na faixa etária entre 6 meses a 5 anos de idade, gestantes, puérperas, idosos acima de 60 anos e indígenas. 
Entre os municípios com os piores índices de cobertura está Santa Cruz do Xingu (1.215 km ao nordeste de Cuiabá) que registrou a aplicação de apenas 3% das vacinas até o momento. Outros, como Nova Nazaré, Rondolândia e General Carneiro registraram coberturas de apenas 14,41%, 18,89% e 19,58%, respectivamente.
De acordo com o Ministério da Saúde, a prorrogação da campanha foi necessária em decorrência dos possíveis impactos da paralisação dos caminhoneiros no transporte público e nos atendimentos em serviços de saúde.
De acordo com o gerente de imunização da SES, Thiago Rondon, além da paralisação que atingiu a distribuição das vacinas em algumas regionais do Estado, outro ponto que foi importante para definir a prorrogação foi a baixa cobertura em muitas cidades.
O gerente de imunização afirma que o estado recebeu entorno de 850 mil doses, quantidade mais que suficiente para a meta de imunização da campanha que é de 733 mil pessoas. Ele lembra ainda que a vacinação será mantida apenas para o público-alvo. 
Fonte:Dantielle Venturini, repórter de A Gazeta
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.