Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

2390
A Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) informou, nesta segunda-feira, que os pecuaristas devem evitar o trânsito de bovinos sem exame de tuberculose, assim como, se adquirem bovinos em outros Estados, mantê-los isolados do restante do rebanho até a realização do exame, visto que o país passa por dificuldades no abastecimento de insumos para diagnóstico de tuberculose. O Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), poderá facultar a exigência dos exames para tuberculose durante a emissão de Guia de Trânsito Animal (GTA), bem como para ingresso de animais em eventos agropecuários. Essa medida é excepcional, por tempo determinado e condicionado a critérios específicos, considerando que a revenda cadastrada em Mato Grosso não dispõe de tuberculina bovina para venda e sua perspectiva para disponibilização deve demorar cerca de um mês.
A suspensão da exigência, em período determinado, foi anunciada pelo Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), através do Memorando Circular 38/2018, do último dia 17 de julho, encaminhado para as Unidades Federativas.
O Indea alertou ainda que em Mato Grosso apenas 26 médicos veterinários habilitados em 22 municípios dispõem em seus estoques particulares de um total somado de 6.683 doses. A Famato foi orientada pelo Indea, por meio do ofício circular 15/2018, quanto aos critérios para a isenção da GTA sem a comprovação do teste negativo para tuberculose bovina.
Nos casos de autorização de evento agropecuário, o organizador deve comprometer-se formalmente, mediante compromisso firmado, de que informará a todos os participantes de que o evento ocorrerá sem a certificação sanitária referente à tuberculose bovina.
Antes da emissão da GTA, o Indea terá que fornecer ao produtor a lista de médicos veterinários que detém estoque de tuberculina na região. Somente mediante a impossibilidade de examinar os animais, a GTA poderá ser emitida sem apresentação do atestado.
O produtor que optar por enviar o bovino ou bubalino sem a realização de exame para tuberculose deverá assinar um termo de responsabilidade. O documento vai ao arquivo juntamente com a solicitação para emissão da GTA para bovídeos.
No caso de bovino e bubalino para outro estado, o produtor deve ser avisado pelo Indea sobre o risco. Antes de emitir a GTA, a unidade deve consultar a Coordenadoria de Defesa Sanitária Animal (CDSA) que verificará com o Serviço Veterinário Oficial do estado de destino sobre sua disposição para receber animais sem os devidos exames.
A Famato conclui reforçando que os animais não testados sejam mantidos isolados até que se realize o exame para brucelose, diante dos riscos sanitários, informa a assessoria.
(Atualizada às 11:44h)

Fonte:Só Notícias/Agronoticias (foto: arquivo/assessoria)
Marcadores: ,

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.