Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Recomendação foi assinada pela Procuradoria Regional Eleitoral e pelo Ministério Público Estadual em Mato Grosso

O Ministério Público Eleitoral em Mato Grosso (MP Eleitoral), por meio da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), e o Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPE) encaminharam uma recomendação aos proprietários de postos de combustíveis e ao Sindicato dos Postos do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), com orientações sobre a comercialização de combustível durante o período eleitoral. A recomendação foi realizada tendo em vista a ocorrência de venda irregular de combustível nos postos em eleições anteriores.
No dia 25 de julho foi realizada uma reunião entre o MPF, MPE e os representantes dos postos de combustíveis no auditório do Sindipetróleo, ocasião em que foram apresentadas e definidas as orientações constantes na recomendação. Assinam a recomendação a procuradora Regional Eleitoral Cristina Nascimento de Melo, o promotor Eleitoral Miguel Slhessarenko Júnior e a promotora Eleitoral Januária Dorilêo.
Conforme jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há a possibilidade de entrega de combustível aos cabos eleitorais, pessoas que mantém um vínculo jurídico estável com os candidatos e que não se confundem com simples eleitores. Porém, tal fornecimento deve ser realizado com o intuito de que estes participem apenas de atos lícitos de campanha, tais como a promoção de carreatas (quantidade de litros de combustível proporcional e indispensável ao trajeto em quilômetros a ser efetuado) e locomoção para a realização de comícios, encontros do partido ou visita do candidato a diferentes bairros do município.
“A distribuição gratuita e desmedida de bens ou valores, em período eleitoral, poderá configurar crime de compra de votos, ensejando, ainda, representação específica por captação ilícita de sufrágio, conforme dispõe o artigo 41-A da Lei 9.504/1977”, consta na recomendação. Pode, ainda, levar à cassação do registro ou do diploma do candidato envolvido e à aplicação de multa, destaca a Procuradora da República, Cristina Melo.
A legislação eleitoral também define que a veiculação de propaganda eleitoral em bens particulares deve ser espontânea e gratuita, sendo vedado qualquer tipo de pagamento em troca de espaço para esta finalidade. Logo, é proibida a distribuição de combustível em troca da veiculação de propaganda em automóveis e outros bens particulares.

O Ministério Público Eleitoral destaca, ainda, que os proprietários de postos de combustíveis devem abster-se de emitir tickets/vales/requisições ou similares para novos clientes, pessoas físicas ou jurídicas, sem a existência de um contrato formal e escrito prévio, que deve ser informado à Procuradoria Regional Eleitoral a cada 20 dias, para fins de acompanhamento. Devem ainda promover o registro e a identificação dos ticketsemitidos a candidatos ou partidos políticos, bem como o CPF/CNPJ do consumidor que esteja abastecendo com o vale respectivo.
As doações “in natura” realizadas aos candidatos também deverão ser registradas com valores e CPF do doador e dos consumidores que utilizem o abastecimento, bem como realizar a emissão de nota fiscal referente a todos os abastecimentos.
Acesse a íntegra da recomendação (link).
Procuradoria Regional Eleitoral - A PRE é a unidade do Ministério Público Eleitoral que atua nas causas de competência do Tribunal Regional Eleitoral e exerce, no âmbito do Estado, a direção das atividades desse setor. A chefia da PRE cabe ao Procurador Regional Eleitoral, membro do Ministério Público Federal, designado pelo Procurador-geral Eleitoral, para um mandato de dois anos, permitida uma recondução.
Fonte: 24 Horas News
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.