Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O produto atingiu um valor recorde para os meses de julho e teve alta real de 14% no campo, em relação a junho. A alta já atinge 44% no ano. Os consumidores já vinham sentindo no bolso o preço do leite. A situação, porém, poderá ficar ainda pior.
Os dados são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). A explosão dos preços ocorre por causa da soma de vários fatores: paralisação dos caminhoneiros, pastagens ruins e queda nos estoques das indústrias.
Com a greve, e sem coleta, os produtores se desfizeram do leite, desfalcando o abastecimento das indústrias. Para repor estoques, elas disputaram a produção de junho, pagando mais caro.
Para complicar ainda mais, em algumas regiões, como o Sul, a ausência de chuva retardou a melhora das pastagens, afirma Juliana Santos, analista de leite do Cepea.
Se a oferta for limitada também em agosto, a pressão nos preços vai continuar. Santos diz que clima adverso e encarecimentos dos grãos podem impedir mudança de tendência do mercado.
Uma nova alta no leite no campo —seria a sétima consecutiva— pressionaria ainda mais a inflação, pesando no bolso do consumidor.
O preço médio do produto longa vida, o mais usado pela população, já subiu 57% neste ano na cidade de São Paulo, de acordo com a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).
A analista do Cepea diz que é importante ficar de olho nos preços do leite “spot”, o produto que é negociado entre as indústrias.
Na primeira quinzena de julho, o preço teve alta de 28% em Minas Gerais, apontando forte demanda. Na segunda, porém, houve queda de 7%.
O preço do leite pago ao produtor, em julho, foi de R$ 1,4781 por litro nos sete estados pesquisados pelo Cepea. Esse é um valor médio líquido para o produto entregue em junho às indústrias.
PRESSÃO MENOR
Os produtos agropecuários no atacado perderam força na inflação de julho. Após uma alta de 3% em junho, os preços do setor recuaram 1,83% neste mês. É o que mostram os dados do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), divulgados nesta segunda-feira (30) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).
Apesar da queda deste mês, o aumento acumulado do ano se mantém em 7,8%, acima do IGP-M médio de 5,9% para o período. O leite encabeça a lista das pressões de julho (mais 7,4%), acompanhado de aves e de bovinos.
Já o milho, que teve redução de 10% neste mês, foi o produto que mais cooperou para segurar um avanço maior da inflação no atacado.

Fonte:Jornal Folha de S.Paulo

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.