Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Nova presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a ministra Rosa Weber terá papel determinante no julgamento da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à Presidência da República. Caso a Justiça Eleitoral negue o registro do petista, caberá à magistrada decidir se cabe recurso extraordinário a ser julgado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), etapa considerada estratégica para o partido.
Ministra do STF desde 2011, quando foi nomeada pela então presidente Dilma Rousseff, Weber foi a terceira mulher a chegar à mais alta corte do País, após Ellen Gracie e Cármen Lúcia. Nos 5 anos anteriores, integrou o TST (Tribunal Superior do Trabalho), nomeada durante o mandato de Lula.
Conhecida pelo estilo discreto e técnico, Weber votou contra a prisão após condenação em 2ª instância, mas foi voto decisivo no julgamento do Supremo que negou habeas corpus ao ex-presidente em abril. Ela também já votou a favor da constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa.
De acordo com a legislação, podem ser consideradas inelegíveis pessoas condenadas por órgão colegiado por determinados crimes, como corrupção e lavagem de dinheiro. É o caso de Lula no processo do tríplex do Guarujá, que resultou na sua prisão, em 7 de abril. Apesar da condenação, o PT irá registrar a candidatura nesta quarta-feira (15), prazo limite. Caberá então ao TSE analisar o pedido.

PT quer levar nome de Lula até o fim

A estratégia do PT é usar todas ferramentas possíveis para levar o nome de Lula o mais longe possível na corrida presidencial. A Justiça Eleitoral tem até 17 de setembro para julgar a inelegibilidade dos candidatos. Após esse prazo, não é mais possível trocar o nome e foto que aparece na urna.
No cenário mais célere, a expectativa é que o TSE julgue o pedido até 30 de agosto. No dia seguinte, começa a propaganda eleitoral em rádio e televisão. Dependendo do cenário, o partido corre o risco de perder o tempo de exposição.
Após o registro da candidatura, o Ministério Público e os partidos políticos têm até 22 de agosto para pedir a impugnação. Após eventual notificação, o PT teria até 7 dias para contestar. Se o relator do processo no TSE entender não haver necessidade de depoimentos, produção de provas ou alegações finais, ele deve elaborar o voto até o dia 30.
Se o registro for negado, o PT tem 3 dias para apresentar embargos de declaração. Se esse recurso for negado, o partido tem o mesmo prazo para apresentar um recurso extraordinário ao STF. Nesse cenário, caberá a Weber decidir se o pedido é procedente.
Caso o recurso chegue ao STF, os envolvidos têm 5 dias para alegações finais. Se o registro for negado, o PT têm de retirar a candidatura de Lula e o substituir por Fernando Haddad, com Manuela D'Ávila como vice. Após essa etapa, cabe ainda apresentar embargos de declaração e recurso extraordinário no STF sobre a negativa do próprio tribunal.

Rosa Weber foi chefe de Sérgio Moro

Natural de Porto Alegre (RS), Rosa Weber graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 1971. Foi juíza do Trabalho e chegou a presidir o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) até 2006, quando foi alçada às cortes superiores.
No Supremo, Weber teve como auxiliar em seu gabinete no julgamento do mensalão o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela condenação do ex-presidente em 1ª instância no caso do tríplex.
Na Justiça Eleitoral, ela foi relatora do processo que garante 30% do Fundo Eleitoral àscandidaturas femininas. No julgamento em maio, afirmou que "não há outro caminho para a correção de histórica disparidade entre as representações feminina e masculina no Parlamento".
Como ministra da corte eleitoral, Weber votou em junho de 2017 a favor da cassação da chapa presidencial de Dilma e Michel Temer. "Se trata de situação de extrema gravidade. Uma demonstração de sucessiva e reiterada prática de cumprimento de compromissos espúrios e pagamento de propina disfarçado de doação a partido político até 2014, em valores de dezenas de milhões de reais. É inegável a gravidade. Indisfarçável o reflexo eleitoral", afirmou, à época. Ela foi um dos 3 votos vencidos.
A magistrada chegou ao TSE em junho de 2012, como ministra substituta. Em maio de 2016, tornou-se efetiva e vice-presidente da corte até fevereiro de 2018. Em 19 de junho, foi eleita sucessora do ministro Luiz Fux pelo plenário do tribunal. O magistrado defende que Lula poderia ter sua candidatura cassada imediatamente, logo após o registro.
Em julho, durante o recesso do Judiciário, a ministra negou pedido do MBL (Movimento Brasil Livre) para que fosse antecipada a inelegibilidade de Lula. Ela afirmou que o caso não poderia ser analisado enquanto o petista não fosse candidato oficialmente.

Por que Rosa Weber negou habeas corpus a Lula

O perfil reservado, com poucas entrevistas à imprensa, foi uma dos fatores para que o voto de Weber no habeas corpus preventivo de Lula em março fosse considerado decisivo. O tribunal negou o pedido de habeas corpus a Lula por 6 votos a 5.
Na ocasião, a ministra decidiu que o pedido não deveria ser concedido porque o entendimento do STF é a favor da prisão após condenação em 2ª instância. Ela afirmou que a "razão institucional" de um tribunal deve ficar acima de "vozes individuais". De acordo com a ministra, que é contra a prisão antecipada, a simples mudança de composição no STF não legitima alteração na jurisprudência. "As instituições do Estado devem proteger os cidadãos de incertezas desnecessárias sobre seus direitos", afirmou.
Em 2016, o STF entendeu, por 6 votos a 5, que a pena pode começar a ser cumprida após condenação em órgão colegiado. A decisão provocou controvérsia e, desde então, a corte mudou a composição e ministros indicaram que têm um novo entendimento.
Para os defensores da prisão nessa situação, a medida combate a impunidade. Já os contrários argumentam que ela viola a presunção de inocência. O inciso LVII do artigo 5º da Constituição prevê que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória", ou seja, até se esgotarem todos os tipos de recursos.
Fonte:www.msn.com
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.