Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Selma Arruda e Vict�rio Galli
Rodinei Crescêncio - Galli é obrigado a sair de chapão para a
 Câmara Federal e garantir candidatura de Selma




O deputado federal Victório Galli (PSL) abriu mão de participar do chapão à Câmara Federal com os principais partidos que apoiam a reeleição do governador Pedro Taques (PSDB) - PSDB, PSB, PPS, Solidariedade, PRTB e Democracia Cristã - para compor frentinha somente com PSL, Avante, Patriota e PRP. Com isso, corre o risco de não atingir o quociente eleitoral e ficar sem se reeleger, mesmo que seja o candidato mais votado de Mato Grosso.
A imposição foi feita pelo PSDB e demais aliados. Galli acabou aceitando para preservar a candidatura da juíza aposentada Selma Arruda ao Senado e os candidatos à Assembleia do PSL.
Galli aceitou sair do chapão  para o PSL lançar chapa pura à Assembleia, garantindo que os 40 candidatos a deputado estadual da sigla participem da disputa. Caso contrário,  seria obrigado a firmar coligação com PSB e PPS e reduzir as chances dos correligionários e do próprio filho Elias Galli.
A chapa a Assembleia foi motivo de intensas discussões entre os aliados de Taques durante o final de semana da convenção que oficializou sua candidatura à reeleição. Descontente com os rumos da aliança, o PPS chegou até a ameaçar com ruptura.
“Estou indo para o sacrifício. Eu estaria na zona de conforto, no  chapão, mas não posso olhar só para mim e sim para o grupo, para o coletivo nosso. O importante não é só eu me reeleger deputado federal, mas que possamos ter também, no mínimo, dois deputados estaduais e força para a eleição da nossa candidata a senadora Selma Arruda”, disse Galli em vídeo direcionado aos integrantes do PSL.
No vídeo, Galli também ressalta que além da candidatura de Selma,  Taques ainda reafirmou a garantia de palanque para o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) em Mato Grosso, a partir da sua saída do chapão. Além dele, também são candidatos a deputado federal o youtuber Nelson Barbudo, de Alto Taquari, e a empresária, Gina Defanti, de Cuiabá.
O analista político e marqueteiro Manoel Carlos, que atua na campanha do PSL,  demonstrou preocupação com a situação. Segundo ele,    pesquisas internas apontam que Galli poderia obter uma votação entre 90  mil e 140 mil votos para sua reeleição.
“A condição do único parlamentar de direita de Mato Grosso ficou mais difícil.  Agora, teremos que buscar o teto, pontuou Manoel.
Confira vídeo divulgado pelo deputado Victório Galli:




Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.