Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Apenas cadeiras de deputados que não concorrem à reeleição devem passar por mudança, avaliam os analistas políticos Onofre Ribeiro e Alfredo da Motta Menezes.

Apesar do clima de indignação com a política vivido no país atualmente, a tendência é de que a renovação na Assembleia Legislativa seja mínima. A avaliação é de especialistas consultados pelo  em meio à campanha eleitoral deste ano. De acordo com as últimas pesquisas eleitorais divulgadas, devem se eleger nomes que já ocupam uma cadeira na Assembleia ou que já sejam conhecidos como ex-secretários e vereadores.
O jornalista e cientista político Onofre Ribeiro avalia que a tendência é de que o Legislativo continue sendo um “puxadinho” do Executivo no Estado.
“Acredito que não mudará nada. Antes, a Assembleia não era tão favorável ao Governo assim. Mas da gestão Blairo [Maggi] para cá,  há 15 anos a Assembleia é um puxadinho do Palácio Paiaguás. E vai ser cada vez mais”, avalia.

“Acredito que não mudará nada. Antes, a Assembleia não era tão favorável ao Governo assim. Mas da gestão Blairo [Maggi] para cá, há 15 anos a Assembleia é um puxadinho do Palácio Paiaguás. E vai ser cada vez mais”, avalia Onofre Ribeiro.

O perfil do eleitorado mato-grossense colabora para que apenas aqueles que já detêm mandato consigam se eleger.
“Renovar não vai, no sentido bem apropriado da palavra. O que nós temos são quatro ou cinco deputados que não se candidataram e vão ser substituídos. O eleitor... Você quando dirige um carro e coloca no ponto morto, ele não anda. O eleitor está em ponto morto. Existe toda essa indignação com a política e tudo o mais, mas ele é ignorante demais para associar indignação com renovação na Assembleia”, declara Onofre.
O professor Alfredo da Mota Menezes concorda. A avaliação do pós-doutor em História da América Latina é de que a revolta com a política se dá muito mais em meios sociais ligados à classe média e que a população de uma forma geral está mais preocupada com necessidades básicas e momentâneas. 
“Esse é um pensamento da classe média, de que está cansado da política. Você acha que a pessoa lá do interior com um grau de escolaridade menor, com quem o deputado teve algum relacionamento, você acha que mesmo ele tendo algum problema [com a Justiça], essa pessoa não vai votar?”, questiona Alfredo.
Onofre lembra o caso do deputado Mauro Savi (DEM), que ele avalia como nome quase certo à reeleição. O parlamentar ficou mais de três meses preso preventivamente por suspeita de envolvimento em um caso de corrupção no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ele foi solto e o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) deferiu sua candidatura por não haver nenhuma condenação em segunda instância.

“Savi desviou 30 milhões, mas o eleitor não tem noção. Ele quer saber daquilo que tem impacto na vida pessoal dele. Nós temos um eleitor analfabeto politicamente, ele é incapaz de associar a necessidade de acabar com essa corrupção e a possibilidade de eleger pessoas novas”, avalia Onofre.

Fonte:MIKHAIL FAVALESSA/
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.