Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT


O Ministério Público de Mato Grosso indiciou o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), o  presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), os também deputados estaduais Nininho (PSD), Zeca Viana (PDT), Wancley de Carvalho (PV) e o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) em procedimento resultado da Operação Déjá vu. O caso foi distribuído ao juiz Marcus Faleiros, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, na última quinta-feira (13). Com o indiciamento, os investigados passam da condição de suspeitos à de prováveis autores da infração penal.

A Déjá vu aponta para um desvio de mais R$ 500 mil com esquema de supostas notas frias para prestação de contas referentes a pagamentos de verbas indenizatórias na Assembleia. As fraudes teriam sido cometidas, entre os anos de 2012 a 2015, quando todos ocupavam cargos no legislativo.

Até o momento, o MPE já teve acesso a aproximadamente 90 supostas notas frias, que tiveram como destinatários os deputados citados na investigação. No período das emissões desses documentos, estava em vigor a lei estadual que instituía a verba indenizatória, paga mensalmente a membros do legislativo, de forma compensatória às despesas inerentes a suas atividades.

Inicialmente o caso tramitou no Supremo Tribunal Federal (STF), devido ao nome de Ezequiel Fonseca, detentor de foro privilegiado, constar como parte investigada. O processo chegou em Mato Grosso após o novo entendimento sobre foro. Atualmente apenas crimes cometidos em função e durante o exercício o cargo serão alvos de instâncias superiores.

Só Notícias/Gazeta Digital (foto: assessoria)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.