Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Foto: Internet.
Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) negou, nesta segunda-feira (17), o pedido de registro de candidatura do suplente de deputado estadual Jajah Neves (SD) à Assembleia Legislativa. Com a decisão, ele se tornou o primeiro candidato barrado com base na Lei da Ficha Limpa nas eleições deste ano.
Em 22 de agosto, o TRE condenou Jajah pela prática de abuso de poder nas eleições de 2016 e o declarou inelegível pelos próximos oito anos. Antes disso, entretanto, o Ministério Público Federal (MPF) já havia protocolado a impugnação de seu registro sob argumento de que ele havia sido condenado a pagar multa de R$ 50 mil por propaganda eleitoral irregular e ainda não teria quitado o pagamento.
O débito foi afastado pela Justiça Eleitoral devido a comprovação do parcelamento da multa. Sua candidatura, por sua vez, foi barrada pela inelegibilidade superveniente (subsequente), cuja aplicabilidade foi analisada no julgamento desta segunda-feira.
“Nota-se que a Lei das Inelegibilidades prevê, inclusive, o cancelamento de registro já deferido, ou mesmo a declaração de nulidade de diploma. Esta previsão por si só, em uma interpretação sistêmica do ordenamento, fragiliza o argumento de que se limita apenas ao momento do pedido de registro, pois, fosse assim não se poderia falar em cancelamento de registro, providência logicamente sempre posterior ao deferimento”, sustentou o juiz-relator, Antônio Veloso Peleja Júnior, em seu voto.
 Fonte: O LIVRE. 
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.