Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Senador eleito com 483.511 votos, Jayme Campos (DEM) teceu duras críticas ao setor do agronegócio em Mato Grosso e defendeu a taxação aos produtores de soja, milho e algodão. Em entrevista ao programa “A Notícia de Frente”, da TV Vila Real, hoje de manhã, ele disse que o governador eleito Mauro Mendes (DEM), precisará ser “corajoso” para não se tornar refém dos “barões do agronegócio” e para cobrar impostos.
“99% da produção de soja eles alegam que vão para exportação, mas sabemos que boa parte disso fica no mercado interno. E não é só essa atividade, existem outras que fazem do mesmo jeito e não pagam quase nada”, disse Campos.
De acordo com ele, Mendes poderia seguir o exemplo de Mato Grosso do Sul e criar uma lei em que 35% do que é produzido pelo agronegócio seja comercializado internamente. “Assim eles pagarão normalmente os impostos como qualquer outra pessoa. Se fizer isso, nosso problema estará resolvido”, disse ao referir-se a busca de recursos novos para a saúde.
Jayme Campos questionou o fato do setor produtivo construir grandes riquezas e não contribuir com a arrecadação do Estado, por conta da Lei Kandir que isenta os produtos exportados. “E eu pergunto qual a participação desse setor na receita do Estado? Eles não pagam coisíssima alguma. E tem que cobrar, não tem muita saída para MT. No setor do algodão, a margem de lucro aqui é de R$ 15 mil por hectare de produção. Não pagam nada. A lei Kandir favorece o setor. Estão livres de pagarem ICMS, PIS, Confins. Sou favorável que paguem e se depender de Jayme Campos (DEM), serão taxados”.
Jayme também questionou o fato do setor produtivo jogar a responsabilidade da crise apenas nos servidores públicos. Segundo ele, o Estado precisa sim ser diminuído com cortes de cargos e redução de órgãos e secretarias. Para ele, além da reforma administrativa, será preciso arrecadar mais.
“Os barões e tubarões do agronegócio tem que pagar impostos sim. Caso contrário não tem saída e continuará essa tragédia financeira que Mato Grosso vive. E a tendência é piorar”.
Jayme também criticou os políticos que dizem que são “representantes do agronegócio”. Segundo ele, se criou uma “espécie de Apartheid” político. Ele voltou a repetir que será um senador independente e que não representará nenhum seguimento.
“Fiz minha campanha com recurso próprio, para não dizer que estava no bolso de qualquer pessoa ou seguimento.O agronegócio trabalhou bastante contra a minha candidatura. Muito e radicalmente contra. Mas é um direito deles. Acho que foi porque me posicionei que se seria um senador independente e de todos os mato-grossenses”, revelou.
Jayme Campos também criticou os interesses do megaprodutores do setor produtivo, que segundo ele, atrapalham o Estado. Para ele, A Ferrovia de Rondonópolis não chegou em Cuiabá por interferência desses produtores. “Tem um grupo de empresário aqui, um ou dois barões bacanas, que não querem que a Ferrovia chegue a Cuiabá. Sabe por que? Porque isso vai interferir nos negócios deles aqui. Não quer a Fico em Cuiabá”, finalizou.
Fonte: Só Notícias/Gazeta Digital (Só Notícias/Diego Oliveira/arquivo)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.