Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Recomendação prevê distribuição na Comunidade Indígena Kanela do Araguaia


O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso, por meio da sua unidade em Barra do Garças, expediu recomendação à Empresa Energisa Mato Grosso – Distribuidora de Energia para que seus representantes cumpram com o cronograma apresentado na Carta nº 13547/2018 e concluam, até dezembro de 2018, o procedimento de eletrificação rural, com extensão de rede pela distribuidora, à Comunidade Indígena Kanela do Araguaia. O cronograma do procedimento, que faz parte do programa “Luz para Todos”, foi proposto pela própria empresa.
A inclusão da comunidade no programa é resultado do inquérito civil nº 1.20.004.000211/2018-00, posteriormente convertido na ação civil pública nº 2177.25.2017.4.01.3605, que teve como objeto apurar a omissão da concessionária Energisa na instalação de energia elétrica na Aldeia Porto Velho, na Aldeia Nova Pukanu e para a etnia Kanela do Araguaia no município de Luciara (MT), distante cerca de 1.180 km de Cuiabá.
A Energisa, porém, informou que não é possível o atendimento à comunidade, alegando a litigiosidade da área e a necessidade de comprovação de posse. A alegação, contudo, fere a Constituição Federal de 1988, que adotou o instituto de indigenato, fonte primária e congênita da posse territorial, legítimo por si e não dependente de legitimação, uma vez que a demarcação das terras tem única e exclusivamente a função de criar uma delimitação espacial da titularidade indígena e de opô-lo a terceiros, sendo, portanto, declaratória e não constitutiva.
De acordo com a recomendação, há situação de extrema vulnerabilidade social dos indígenas da etnia Kanela do Araguaia, pois, diante da inexistência de acesso de rede elétrica à comunidade, restam prejudicadas a conservação de merenda escolar e insulina para os diabéticos. Ademais, é notório que a relação que os indígenas desenvolvem com o seu território tradicional extrapola a mera ocupação para moradia, pois nele cultivam seus viveres e sua cultura, elementos essenciais à preservação do indigenato.
Além disso, o dito “caráter litigioso” da ocupação do território pela comunidade Kanela do Araguaia, não lhes tira o direito de usufruir de serviços essenciais disponíveis a todos os indivíduos, como o fornecimento de energia elétrica e, por consequência, à água potável, possibilidade de conservação de alimentos e insumos farmacêuticos, elementos também essenciais à preservação do indigenato. “Não pode e não deve o Estado omitir-se na prestação de serviço público de caráter fundamental sob o argumento de litigiosidade decorrente da pendência de processo demarcatório de terras indígenas a seu cargo”, registra a recomendação.
Dessa forma, o MPF esclarece que o não cumprimento da recomendação ensejará na adoção das medidas judiciais cabíveis para responsabilização por dano moral coletivo em razão da lesão de bens e valores da comunidade, como consequência de comportamento antijurídico da concessionária, sem prejuízo da adoção de outras medidas.
Fonte:24 Horas News
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.