Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

População pode impedir propagação de fake news nas mídias sociais
A disseminação de notícias falsas, as chamadas fake news, tem colocado a vida de pessoas inocentes em risco, em função da rapidez com que estas veiculações tomam as mídias sociais e por criarem uma verdade que não existe. Segundo informações de técnicos da Adjunta de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), uma solução para frear o avanço de notícias falsas é checar a fonte e, em caso de dúvida se o assunto é verdadeiro ou não, o correto a fazer é não compartilhar.
Nas últimas semanas, o estado de Mato Grosso foi alvo de algumas fake news, que colocaram as forças de segurança em alerta. Um dos casos apontava uma onda de sequestros de crianças e adolescentes em Cuiabá e Várzea Grande. Contudo, a Polícia Judiciária Civil confirmou que apenas um Boletim de Ocorrência foi registrado sobre o caso em Cuiabá, onde a mãe narra que tentaram levar sua filha enquanto passava por um ponto de ônibus, na região do Residencial Aricá. A denunciante já foi ouvida pela polícia.
Ainda sobre o caso, a Polícia Judiciária Civil informou que não há nenhum registro de criança desaparecida na região metropolitana, junto ao Núcleo de Pessoas Desaparecidas, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoas (DHPP).
Diante dos fatos que envolvem notícias falsas, a Coordenadoria de Infraestrutura Estratégica da Sesp apontou alguns cuidados a serem tomados pelos usuários da rede mundial de internet.
O primeiro deles é ler com atenção a notícia e não focar só no título, pois segundos os técnicos, há sites voltados só para criar notícias falsas e o artifício para atrair leitores é criar chamadas de impacto e o texto não conter nenhum embasamento lógico.
Outro cuidado é checar a fonte. Quando o usuário receber uma informação pelo aplicativo de mensagem, como o WhatsApp, que apareça a chamada da matéria e logo abaixo o endereço do site (URL) e um resumo do título, o correto a fazer é verificar se o site é confiável.
O terceiro passo é constatar se a informação recebida já consta em veículos de comunicação oficial, seja ele nacional ou local, dependendo da amplitude da notícia. A quarta instrução é fazer buscas por sites de checagens livres. Há vários disponíveis no mercado, a exemplo de boatos.org, aos fatos, projeto comprova, dentre outros.
A quinta instrução é que os sites oficiais apresentam um cadeado na barra de notícia (região superior da tela). Essa é uma medida a ser verificada pelo usuário. A sexta pontuação da equipe de inteligência da Sesp aponta que apesar do número de fake news ser predominante nas mídias sociais, a sociedade tem o poder de ampliar a divulgação de um boato. “Uma pessoa que ouviu falar algo e sai reproduzindo a informação, por exemplo, é uma das atitudes que mobilizam esforços e causam pânico desnecessário”.
Ainda segundo os técnicos, de todos os cuidados enumerados, o mais importante deles é o bom senso e o zelo ao próximo. “O cidadão precisa ter a consciência que uma pessoa inocente ser envolvida em uma história falsa acarretará em danos social, moral, psicológico e até mesmo à vida".
Os autores de fake news poderão responder por comunicação falsa de crime ou denunciação caluniosa.
Medidas importantes
1 – Leia com atenção a notícia recebida antes de compartilhar
2 – Checar a fonte da notícia
3 – Pesquise se a informação recebida já consta em veículos de comunicação
4 – Faça busca em site de checagem que estão disponíveis gratuitamente
5 – Verificar se o site que a notícia foi divulgada é um canal oficial
6 – Evitar reproduzir boatos que se sabe a procedência
7 – Bom senso na hora de compartilhar informações
Fonte:Hérica Teixeira | Sesp-MT
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.