Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Expectativa neste ano é colher em torno de 80 toneladas. Ao todo, 90 índios participam da Associação Indígena Rikbaktsa Tsirik.
Índios Rikbaktsa na colheita de castanha-do-Brasil — Foto: Pacto das Águas/Divulgação   Índios da etnia Rikbaktsa dasÍndios Rikbaktsa na colheita de castanha-do-Brasil — Foto: Pacto das Águas/Divulgação Índios da etnia Rikbaktsa das
 Índios da etnia Rikbaktsa das aldeias de Juara e Cotriguaçu, a 690 km e 920 km de Cuiabá, começaram a colheita de castanha-do-Brasil, principal fonte de renda das comunidades. A expectativa neste ano é colher em torno de 80 toneladas.
A colheita termina em abril de 2019 e quase toda a safra ainda será comercializada. O produto é distribuído no mercado regional e em Rondônia.
Todos os frutos colhidos são estocados em armazéns distribuídos nas aldeias dos dois municípios.
Em Juara, os índios formam a comunidade Japuíra. Já em Cotriguaçu fica a comunidade Escondido.
Ao todo, 90 índios participam da Associação Indígena Rikbaktsa Tsirik, que faz o planejamento da safra e a comercialização do produto em parceria com o Projeto Pacto das Águas.
O planejamento da safra nas comunidades indígenas faz parte do ciclo anual, que inclui oficinas de boas práticas de coleta e armazenamento e análise da qualidade dos estoques.
 
Colheira de castanha possibilita a subsistência de índios no norte de MT — Foto: Pacto das Águas/Divulgação
Este ano, os indígenas solicitaram R$ 40 mil da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para compor um estoque de 10 toneladas.
O recurso é destinado para formação de estoque e capital de giro para garantir a subsistência até que os recursos oriundos da colheita desta safra cheguem até as comunidades.
Com o apoio institucional do projeto Pacto das Águas, as associações de indígenas estabelecem estratégias de fortalecimento da cadeia produtiva, além de proteger a floresta.
A parceria dos indígenas com diversas instituições têm garantido a qualidade de vida das comunidades.
“Nosso objetivo é preparar as comunidades para o contato direto e justo com os compradores, além de ajudá-los a buscar recursos junto ao Governo Federal”, destacou Emerson de Oliveira, coordenador do projeto Pacto da Águas.
Fonte:  G1 MT
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.