Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso, por meio do Instituto Memória do Poder Legislativo (IMPL), vai catalogar em vídeos, fotos e textos os monumentos históricos dos 141 municípios mato-grossenses. A iniciativa faz parte do projeto “Memória de Mato Grosso”, que pretende criar um acervo para divulgar e promover a história e a cultura de todas as regiões do estado. “Esse é um projeto inovador que visa reforçar o compromisso do Poder Legislativo estadual de representar todos os municípios de Mato Grosso”, afirma a superintendente do IMPL, Mara Visnadi.

A superintendente destaca que o Instituto Memória é uma referência nacional e internacional para pesquisadores, estudantes e para todos aqueles que buscam registros históricos de todo o estado, e não só da catalogação da produção da ALMT. “Hoje o instituto já abriga os processos legislativos e a demarcação de todos eles, mas o objetivo é ter um acervo de informações muito maior sobre cada um dos 141 municípios”, explica. 

Para fazer esse levantamento técnico, a ALMT assinou o Termo de Fomento nº 001/2018/ALMT, com o Instituto Cuiabano de Educação (ICE), que, segundo a superintendente, possui contratos de exclusividade com dois expoentes técnicos de reconhecimento mundial e regional: o fotógrafo Paul Clemence (considerado um dos 10 maiores fotógrafos de arquitetura do mundo), que virá a Mato Grosso exclusivamente para a realização desse projeto dada a sua relevância, e o pesquisador e historiador João Carlos Vicente Ferreira, um dos maiores estudiosos dos municípios de Mato Grosso e seus monumentos históricos.

Segundo Mário Márcio Campos, coordenador do projeto no ICE, o objetivo, mais que registrar e catalogar a arquitetura tombada de Mato Grosso, é proporcionar uma nova perspectiva sobre as construções históricas. “Esse é um projeto que mexe com a alma e o coração dos mato-grossenses e a proposta é de trazer algo novo, um olhar diferente daquilo que já conhecemos e admiramos”, afirma.

“O estado tem hoje mais de 100 patrimônios tombados e boa parte da população desconhece quais são e o contexto histórico para o tombamento”, destaca João Carlos Vicente Ferreira. Ele explica que, por isso, a pesquisa também vai abranger a história, a geopolítica e os pontos históricos e turísticos. Serão feitos registros fotográficos e de vídeo, além de uma produção de texto com descrições e entrevistas.
O material produzido vai virar um catálogo e uma exposição itinerante, que vai percorrer o estado, além de compor o acervo documental disponível no site e nos arquivos do Instituto Memória.
Os trabalhos já começaram e devem ser entregues até janeiro de 2019, conforme cronograma definido pelo plano de trabalho. Os primeiros municípios são Cuiabá e Várzea Grande. Lembrando, que caso seja necessário, ele pode ser prorrogado através de termos aditivos, por períodos iguais ou sucessivos, conforme demanda apresentada e justificada para a comissão da ALMT responsável por acompanhar a gestão das produções.

Instituto Memória - O Instituto Memória do Poder Legislativo foi criado no dia 15 de outubro de 1987 pela Resolução nº 16, com o intuito de resgatar, catalogar, divulgar e oferecer para sociedade a história da Assembleia Legislativa de Mato Grosso desde o ano de 1835. 

Atualmente, o acervo do Instituto Memória conta com um vasto acervo de documentos e cerca de 40 títulos disponíveis para consulta. Todas as produções elaboradas pela Assembleia Legislativa são distribuídas gratuitamente para aqueles que tiverem interesse em adquirir. E as obras que já não possuem exemplares para doação podem ser consultadas na sede da Assembleia, localizada no Centro Político Administrativo, em Cuiabá. 

É importante ressaltar que pertencem ainda ao acervo, além do material que registra a memória institucional, outras obras de arte e esculturas de diversos artistas regionais que fazem parte da história de Mato Grosso.
Fonte:Maíra Nienow Sec. de Comunicação Social
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.