Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Uma equipe do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso e representantes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) se reuniram para avaliar os dados obtidos a partir do levantamento das fazendas na divisa entre Mato Grosso e Pará, um trabalho importante na delimitação da zona livre de febre aftosa sem vacinação, em maio de 2020. De agosto até a primeira quinzena de outubro, equipes do Indea e da Adepará visitaram 528 propriedades localizadas nos municípios mato-grossenses de Vila Rica, Santa Terezinha, Paranaíta, Guarantã do Uma equipe do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso e representantes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) se reuniram para avaliar os dados obtidos a partir do levantamento das fazendas na divisa entre Mato Grosso e Pará, um trabalho importante na delimitação da zona livre de febre aftosa sem vacinação, em maio de 2020. De agosto até a primeira quinzena de outubro, equipes do Indea e da Adepará visitaram 528 propriedades localizadas nos municípios mato-grossenses de Vila Rica, Santa Terezinha, Paranaíta, Guarantã do Norte São Félix do Xingú e os paraenses Cumaru do Norte, Santana do Araguaia, Jacareacanga, Altamira e Novo Progresso, onde foram coletadas coordenadas geográficas, atualização cadastral, educação sanitária junto aos produtores, vigilância veterinária e aplicação de questionário para análise do trânsito de animais e subprodutos, vínculos com  outros estabelecimentos e conhecimentos dos pecuaristas sobre o plano estratégico e suas implicações.

Vários critérios serão levados em conta para a delimitação da zona livre de febre aftosa sem vacinação, dentre elas barreiras naturais, a não inviabilização da atividade econômica, visando a efetividade das medidas de contenção de trânsito equilibrada com o menor impacto possível para os produtores na região. Ainda serão realizadas reuniões com os pecuaristas da região, com as equipes gestoras estaduais do Plano Estratégico 2017-2026 de ambos estados para refinar a proposta da delimitação da zona que será apresentada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Assim que o Bloco II deixar de vacinar o seu rebanho, em 2020, não poderão receber animais suscetíveis – bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos, suínos e outros – de Mato Grosso e seus produtos in natura.

O Plano Estratégico de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) prevê a retirada total da vacinação no país até 2023. Os estados foram divididos em cinco blocos pecuários para que seja feita a transição de área livre da aftosa com vacinação para sem vacinação. Integram o Bloco I, Acre e Rondônia; o Bloco II: Amazonas, Amapá, Pará e Roraima; o Bloco III: Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; Bloco IV: Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe e Tocantins, e; Bloco V: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, informa a assessoria do Indea.

Só Notícias
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.