Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Complexo de comunicação foi arrematado por R$ 500 milhões; Missão é salvar audiência global
O grupo Zahran comprou o grupo Jaime Câmara por R$500 milhões. A notícia da venda da TV Anhanguera, a jóia da coroa do grupo goiano, ainda não foi oficializada, mas segundo o Jornal Opção o negócio já foi realizado e Ueze Elias Zahran assume os negócios em 1º de janeiro. A negociação deveria ter sido fechada em maio, porém havia números de audiência a serem discutidos.
Inicialmente o grupo Jaime Câmara pedia R$750 milhões pela TV Anhanguera (Rede Globo) em Goiás e Tocantins, além dos rádios e jornais. O problema foram os jornais. O Jornal Daqui, voltado a camada popular, chegou a colocar em circulação 160 mil exemplares, ao valor de R$0,50 cada um, até que elevou o preço e caiu a

O terceiro lugar na colocação não agradou a Rede Globo, que se via atrás do SBT e da Record em Goiás. A média da TV Anhanguera é de míseros 8 pontos no Ibope

tiragem para 80 mil exemplares.
A situação do Jornal O Popular, existente há 80 anos em Goiás, e que circulava em Tocantins, Distrito Federal, e até mesmo na região na divisa com Mato Grosso, caiu para 20 mil exemplares (em um universo de 6 milhões de leitores) e se mantinha devido ao prestígio acumulado durante todos esses anos, sendo O Popular quem gerou todos os outros negócios do grupo goiano.
O grupo deixou de reinvestir quando seus herdeiros se mudaram para os Estados Unidos, e devido a falta de ânimo dos mais velhos, a empresa-mãe, a TV Anhanguera começou a perder audiência. O terceiro lugar na colocação não agradou a Rede Globo, que se via atrás do SBT e da Record em Goiás. A média da TV Anhanguera é de míseros 8 pontos no Ibope.
Esse foi o motivo principal da Rede Globo, no Rio de Janeiro, ter acionado Zahran, de Campo Grande, para incentivar os negócios em Goiás. O grupo Zahran fatura R$1 bilhão/ano e tem cerca de R$350 milhões em “gordura” para queimar, e pode ser esse o valor apresentado ao grupo goiano, que queria vender tudo, os títulos, as máquinas, os imóveis, e repassar as dívidas.
Apesar do prestígio, o grupo goiano depende muito do poder público para se manter, e pelos próximos anos o novo governador, Ronaldo Caiado (DEM) não poderá gastar com publicidade o mesmo que gastou o antecessor Marconi Perillo (PSDB) que gastou a média de R$150 milhões/ano, ou R$1 bilhão durante seu tempo de governador de Goiás.

Zarhan agora é dono da Globo em MT, MS e GO

A expectativa dos remanescentes do grupo goiano, ao menos da televisão, porque os jornais impressos não tem a atenção de Zaharan, é que use sua experiência na TV Morena (Campo Grande) e TV Centro América (Cuiabá) para recuperar a audiência da TV Anhanguera (Goiânia) fugindo do mundo-cão a que a televisão goiana tem se dedicado nos últimos dois anos, como reportagens de violência e exploração de dramas familiares, e volte a ter o famoso “padrão Globo de qualidade”.

P.S.: O Muvuca Popular lamenta a situação em que se encontra o Jornal O Popular, que durante anos foi referência na região do chamado “Mato Grosso Goiano”, na região do vale do Araguaia, em especial de Barra do Garças (distante 380 Km de Goiânia, e 520 de Cuiabá).
P.S.2: O Jornal O Popular (apesar do nome, é voltado para a classe média) tende a desaparecer porque a impressão se tornou muito cara em tempos das redes sociais, e também porque estamos em tempos de jornalismo de guerra, inaugurado no Brasil em 2015 para derrubar um governo popular e que até hoje continua à solta, e ainda não voltou para a caixinha, ou seja, o que era referência na sociedade acabou transformado em aliado ou adversário, conforme o julgamento dos leitores de um grupo político ou outro.
Fonte:  Muvuca Popular
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.