Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Mato Grosso perdeu, por desmatamento, uma área equivalente à extensão territorial de duas cidades de Várzea Grande, no período de agosto de 2017 a julho de 2018. A Cidade Industrial tem 938,1 quilômetros quadrados, segundo a assessoria de comunicação. A taxa estimada pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foi de 1.749 quilômetros quadrados no Estado. O valor corresponde a 22,1% do desmatamento na Amazônia Legal e é o segundo maior do país.
Os dados do Inpe confirmam ainda um aumento de 12% no desmatamento em Mato Grosso em comparação ao período anterior (agosto de 2016 a julho de 2017), quando a taxa de desmatamento no Estado foi de 1.561 km2. No geral, em relação à taxa, o Estado fica atrás apenas do Pará, que acumula 2.840 km2 desmatados. No país, a área de desmatamento foi de 7.900 km2, valor 13,7% superior ao registrado no ano anterior, quando foi registrado 6.947 km2.
O levantamento do Inpe aponta que, nos últimos 30 anos, de 1988 a 2018, o Estado já acumula uma taxa de desmatamento de 144.716 km2.
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Hugo José Scheuer Werle frisa que o Estado vinha de uma tendência de queda na taxa de desmatamento mas, desde o ano passado, a realidade mudou. Este crescimento, segundo ele, é ocasionado por vários fatores. Um deles é o desrespeito à legislação e aos órgãos de controle. O professor exemplifica a demora na autuação de um desmatador como um dos motivadores para Mato Grosso sempre figurar no ranking dos maiores desmatadores.
Hugo Werle utiliza o caso de um produtor rural que desmata a área para plantar soja. A lucratividade com a produção até ele ser identificado e a chance de recorrer da multa acabam tendo um lapso temporal muito grande e continuar no crime acaba por ser compensador, conforme o professor. “O descaso com a questão ambiental, o afrouxamento no processo de fiscalização, a vagareza na cobrança de multas, tudo isso incentiva o produtor. Eles são incentivados a cometer o crime pois acreditam na impunidade ou a punição vem muito tarde. As vantagens do crime ambiental compensam ao infrator devido ao longo tempo para usar a propriedade até a interdição”, frisa.
Werle destaca como consequências do desmatamento a perda da biodiversidade. Os impactos são sentidos nas florestas como todo, nos animais e no aumento do aquecimento global. “Precisamos de formas de detecção mais eficazes com imagens de satélite em alta definição, que deveriam estar à disposição dos órgãos ambientais. Além das tecnologias precisamos ter recursos à disposição. O produtor rural tem clareza desta dificuldade na falta de investimentos. Também há o fato de aparentar que o próprio governo, de maneira proposital, para facilitar a impunidade, acaba não investindo na detecção dos desmatadores”, frisa.
A Gazeta (foto: arquivo/assessoria)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.