Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Mina de exploração de zinco, cobre e chumbo, com 400 metros de profundidade deve ser instalada em Aripuanã nos próximos dois anos.


O gerente regional da Agência Nacional de Mineração (ANM), Sefarim Carvalho de Melo, afirmou nesta quarta-feira (30) que Mato Grosso tem alto potencial para a exploração de minério. Ele ainda anunciou que, nos próximos dois anos, será implantada, em Aripuanã, a 976 km de Cuiabá, uma mina de exploração de cobre, chumbo e zinco, associados a ouro e prata.
Ainda segundo o gerente, a área a ser explorada passou por uma pesquisa de especialistas, que identificaram a existência do material mineral e o potencial econômico do local. A perspectiva é de que a região seja explorada por 15 anos.
"A mina polimetálica vai obedecer um padrão internacional. A previsão é de que tenha cerca de 400 metros de profundidade, com capacidade para produzir aproximadamente 1,8 milhão de toneladas de minério", afirmou o gerente.
Segundo a ANM, os minerais serão extraídos em foram de brita. Posteriormente, passam por um processo de separação. Na primeira fase, faz-se a separação do concentrado de cobre do ouro. Na segunda fase, separa-se o chumbo da prata. Por fim, o zinco é separado.
Posteriormente, já transformados em pó, os minerais são transportados até uma estação ferroviário que fará a destinação. A expectativa é de que os concentrados de zinco sejam processados em Minas Gerais e os demais no exterior, onde serão encaminhados para indústria metalúrgica.
Com relação à distribuição dos recursos oriundos dessa exploração, ele explica que há uma divisão.
"Sessenta por cento do que for arrecadado é destinado ao município onde a mina está instalada, 15% é para os municípios afetados, outros 15% vão para o estado e 10% fica para a União", explicou.
No caso do proprietário da terra, ou seja, do solo explorado, é destinado um "royalty", em um percentual registrado em contrato.

Exploração mineral em MT

De acordo com o gerente da ANM, Mato Grosso tem, atualmente, 130 barragens de mineração. Dessas, 67 são cadastradas e foram vistoriadas no ano passado.
No entanto, Serafim alega que, no Brasil, faltam engenheiros especialistas em construção e segurança de barragens, o que dificulta o processo de fiscalização.
"Essa deficiência vem desde a faculdade, em que não há disciplinas voltadas ao estudo das barragens", destacou.

Fonte: Por G1 MT

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.