Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Ribeirão Cascalheira/MT - Juiz suspende posse de vereador como prefeito interino e mantém ex-presidente da Câmara no cargo
Foto:Direto Rogério Florentino Pereira/ Olhar 


O juiz Thalles Nóbrega Miranda Rezende de Britto, da comarca de Ribeirão Cascalheira (a 891 km de Cuiabá), suspendeu a posse do atual presidente da Câmara de vereadores do município, Luciano Santos Costa (PSB), como prefeito interino.

A presidente anterior, da Câmara, a vereadora Luzia Nunes Brandão (SD) já estava como prefeita interina após cassação do antigo chefe do Executivo eleito em 2016, mas com o fim de seu mandato como presidente da Câmara, o novo presidente quis então assumir a gestão do município em seu lugar.
 
O prefeito eleito de Ribeirão Cascalheira, Reynaldo Fonseca Diniz (PR), e o vice dele, Gleison Oliveira (PR), tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) em 19 de dezembro de 2017.
 
A chapa deles teria cometido abuso de poder político e econômico nas eleições de 2016, ao utilizar os serviços do secretário municipal de Saúde, Jair Barros, para realizar 460 exames oftalmológicos gratuitos na população durante o período eleitoral, quando era candidato à reeleição.
 
Quando um prefeito é cassado, quem assume a gestão do Executivo é o presidente da Câmara Municipal. Neste caso, quem assumiu como prefeita interina foi a vereadora Luzia Nunes Brandão (SD), então presidente da Câmara.
 
No entanto, após novas eleições nas Câmaras Municipais neste ano, o novo presidente eleito do legislativo municipal de Ribeirão Cascalheira, Luciano Santos Costa (PSB), buscou assumir então o cargo de prefeito interino.
 
A defesa da vereadora, patrocinada pelos advogados Rodrigo Cyrineu e Alex Ferreira de Abreu, alegou que a Justiça Eleitoral determina que quem assume como interino deve ficar até a realização de novas eleições.
 
“A Justiça Eleitoral convoca sem termos finais, até a realização de novas eleições. Então se a Justiça Eleitoral não realizou novas eleições até o fim do mandato dela, isso não significa que ela deva sair, primeiro porque já está em um estado de exceção, porque o prefeito foi cassado, está lá para segurar a regularidade dos serviços públicos municipais”, afirmou o advogado Rodrigo Cyrineu.
 
O advogado ainda argumentou que uma nova alternância de cargos traria mais transtornos ao município e a seus cidadãos.
 
“Ela fica até que sejam realizadas novas eleições. Isso é dado em nome do princípio da continuidade administrativa e da regularidade dos serviços públicos, para evitar insegurança jurídica. Porque o que aconteceria? O novo prefeito entra e troca todo o secretariado, troca o sistema de políticas públicas, troca toda a forma de administração e quem sofre com isso são os munícipes”.
 
O juiz mencionou que a determinação para que a presidente da Câmara assumisse como prefeita interina se deu apenas para que o cargo não ficasse vago, com duração prevista para até que seja eleito um novo prefeito. Ele também considerou a insegurança que uma nova alternância traria.
 
“Deste modo, admitir que se alterando o Presidente da Câmara municipal também deveria mudar o chefe do poder executivo municipal, seria proporcionar muita insegurança em municípios que já estão sob um estado de exceção, após a cassação de um prefeito por cometimento de atos ilícitos”.
 
O magistrado então concedeu tutela de urgência para determinar a suspensão dos atos de nomação de Luciano Santos Costa (PSB) com prefeito interino, “até ulterior deliberacão judicial”. Desta maneira, a vereadora Luzia Nunes Brandão (SD) permanece como prefeita interina.

Fonte:Vinicius Mendes, Olhar Direto
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.