Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Caso aconteceu no último sábado (26) na sexta divisão da Itália. O presidente do Serino tirou o time de campo após o árbitro da partida mandar o goleiro Gueye Ass, que é senegalês, 'calar a boca' e chamá-lo de 'negro'

Mais um episódio de discriminação racial marcou o futebol italiano no último sábado (26). Donato Trotta, presidente do Serino, time que disputa a divisão Promozione, que equivale à sexta divisão, tirou sua equipe de campo após um caso de racismo envolvendo o árbitro do jogo e o goleiro do time.

Na partida diante do Real Sarno, pela 20ª rodada do torneio, o goleiro do Serino, o senegalês Gueye Ass Dia, de 25 anos, foi alvo de racismo por parte do árbitro do jogo, após o jogador ter reclamado do gol de empate do time adversário, alegando que estava impedido.

O juiz, por sua vez, mandou Ass "calar a boca" e depois chamou o goleiro de "negro". Ciente das ofensas, Trotta entrou em campo e pediu para sua equipe se retirar do gramado.

"Vendo o meu jogador em lágrimas enquanto ele estava indo para o vestiário, eu decidi retirar a equipe do campo, porque eu não permito que ninguém pise na dignidade dos meus garotos e especialmente na minha. Peço também imediatamente uma investigação federal", disse Trotta à ANSA.

Além de Ass, também foram expulsos no confronto o treinador, o diretor esportivo e um zagueiro do Serino. "A discriminação e as ofensas são cada vez mais frequentes. Temos que parar o campeonato por uma rodada. Estamos preparando um banner que enviaremos para todas as equipes do grupo para exibição nos estádios", afirmou Trotta.

O Serino voltará a campo no próximo sábado (2), para enfrentar o San Vitaliano, em Nápoles.

E não é só na sexta divisão do futebol italiano que acontecem ofensas racistas. Em dezembro o zagueiro Koulibaly, do Napoli, sofreu com os cantos discriminatórios de parte da torcida da Inter de Milão durante uma partida da Série A.

Abalado, o zagueiro acabou sendo expulso no fim do jogo e ainda levou suspensão de dois jogos no campeonato. O Napoli entrou com recurso para que a punição fosse reduzida, mas não obteve êxito.

Recentemente o jogador deu uma entrevista ao site do Napoli e disse que, apesar de considerar um prazer ser um símbolo da luta contra o racismo, .

Fonte: Ig Esportes
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.