Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Um advogado, de 31 anos, foi preso acusado de desacatar policiais militares, em Guarantã do Norte (233 quilômetros de Sinop), ontem. Segundo registro do boletim de ocorrência, a confusão começou após denúncia de disparos de arma de fogo em um bar. Neste local, o acusado foi encontrado em visível estado de embriagues, se negou a passar pela busca pessoal e ainda dificultou o serviço militar afirmando que não poderiam abordar os clientes.

Consta ainda no registro policial, que o advogado tentou dificultar o trabalho policial se colocando entre eles e os abordados. Ele foi orientado a se manter afastado para que não fosse necessário ser detido ou conduzido à delegacia. Após terminarem a revista pessoal, os policiais saíram para atender outra ocorrência e ao chegarem no quartel, encontraram o advogado no local exaltado.

Neste momento, ele teria desacatado um dos oficiais o chamando de ‘policinha’ e afirmando que iria excluí-lo das fileiras da instituição militar. Na sequência, os militares foram impedidos por ele de saírem da recepção empurrando a porta. Com isso, ele acabou preso.

Procurado por Só Notícias, o presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Peixoto de Azevedo, Marcus Augusto Giraldi Macedo, disse que esteve na delegacia de Guarantã, “mas tendo em vista que a prisão não se deu pelo exercício da advocacia, não foi necessário o acompanhamento da OAB. Apenas foi conversado  com o delegado que de imediato garantiu sua prisão em sala condigna com a profissão. De outro lado, estaremos dando conhecimento dos fatos ao Tribunal de Ética e Disciplina (TED), para abertura de procedimento disciplinar em face do advogado”.

O acusado ainda passará por audiência de custódia hoje, às 13h. O juiz determinará se ele será ou não mantido preso.

Só Notícias/Cleber Romero
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.