Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O juiz Carlos Eduardo de Moraes e Silva tornou réu  por improbidade administrativa o prefeito de Paranatinga (322 quilômetros de Sinop), Josimar Marques Barbosa (PMDB). O pedido foi feito pelo Ministério Público Estadual (MPE), que apontou que o gestor gastou dinheiro público na compra de quadros com imagens de si mesmo e que foram espalhados por repartições públicos do município.

Na ação, a Promotoria afirmou que, em janeiro de 2017, em visita à Casa Transitória local, deparou-se com um quadro do recém eleito prefeito Josimar Marques Barbosa, na entrada da instituição. Um dia antes, segundo o MPE, já havia sido constatada a afixação de quadros idênticos em algumas unidades de saúde do município.

O MPE alegou que recomendou à Josimar que, em um prazo de cinco dias, retirasse as fotografias. No entanto, o gestor teria informado que não iria cumprir a notificação recomendatória e ainda informou que gastou R$ 7,8 mil na confecção dos quadros.

Em março de 2017, o juiz substituto Jorge Hassib Ibrahim analisou pedido liminar, porém, não acatou a soliticação para bloquear até R$ 31,2 mil em bens do prefeito. No entanto, o gestor deu 48 horas para que Josimar retirasse os quadros de todas as repartições públicas, exceto da prefeitura, do gabinete e do secretariado.

Agora, o juiz Carlos Eduardo entendeu que há indícios de prática de atos de improbidade administrativa. “Cotejando os fatos e fundamentos expostos na peça basilar, observo a presença de indícios suficientes da prática do ato de improbidade administrativa imputado ao requerido, uma vez que os fatos narrados na exordial amoldam-se, em tese, ao disposto no art. 11, inciso I, da Lei nº 8.429/92”.

O magistrado deu prazo de 15 dias para Josimar contestar a ação.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: arquivo/assessoria)
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.