Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Os grevistas podem ter o ponto cortado, se o Governo do Estado decidir usar a prerrogativa de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que prevê a medida.

Cerca de 40 mil profissionais da Educação de Mato Grosso entraram em greve, a partir desta segunda-feira (27), por tempo indeterminado.

A rede estadual possui mais de 390 mil estudantes, mas como há a prerrogativa das escolas aderirem ou não à paralisação, ainda não há o quantitativo de quantos alunos estão sendo prejudicados com a medida.

A greve foi aprovada em assembleia geral no dia 20 de maio.

Os grevistas podem ter o ponto cortado, se o Governo do Estado decidir usar a prerrogativa de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que prevê a medida. O corte, porém, é uma prerrogativa do governador Mauro Mendes (DEM), que não se pronunciou sobre o assunto.

A principal reivindicação da categoria é o cumprimento da Lei da Dobra do Poder de Compras dos profissionais da Educação, sendo o reajuste de 7,69% de ganho real.

Em rodadas de negociação, o secretário da Seplag, Basílio Bezerra tentou sensibilizar os sindicalistas a não deflagrarem greve, alegando que o Estado não tem condições de conceder o reajuste reivindicado pela categoria.

Destacou que se atender a principal pauta de reivindicação da categoria – o aumento de salário –, terá que atender o mesmo pedido de mais dois grupos de servidores lotados na Secretaria de Fazenda (Sefaz) e Meio Ambiente (Sema).

Com isso, o impacto seria de R$ 200 milhões a mais na folha salarial do Estado, o que violaria ainda mais o limite de gastos com pessoal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Entre elas o pagamento de 1/3 de férias aos professores contratados, que até então nunca havia sido pago, e que pela primeira vez na história será quitado na atual gestão, além dos esforços do Governo para voltar a pagar os salários integralmente no dia 10 de cada mês. Também foi atendida a reivindicação no que tange a liberação de licença-prêmio e licença-qualificação que demande substituição.

Recomendação do MP

O Ministério Público do Estado emitiu notificação recomendatória ao governador Mauro Mendes (DEM) no qual indica que o Estado não faça qualquer reajuste salarial, ou de subsídios aos servidores, que comprometa , o percentual de comprometimento dos gastos com pessoal e, assim, alinhando-se aos limites d ei de Responsabilidade Fiscal.


A recomendação cita benefícios aprovados em lei para servidores da Educação, como concessão de 7,69% de ganho real os professores, 4% a servidores da Fazenda e elevação salarial de 5,5% a servidores do Meio Ambiente.

O documento emitido na terça-feira (21), pela 11ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Cuiabá Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, alerta que o governador corre risco de responder por Crime de Responsabilidade e Ato de Improbidade Administrativa, caso não mantiver os gastos dentro dos padrões da Lei de Responsabilidade Fiscal e se abster de realizar despesas sem comprometer o orçamento atual ou orçamentos futuros.

O Ministério Público ressalta que o cenário financeiro do Estado é preocupante. Cita a previsão de déficit global na ordem de R$ 1,6 bilhão somente para este ano e o decreto de situação de calamidade financeira, realizado no início do ano pelo Governo do Estado.

Os promotores lembram ainda que o Estado, no último quadrimestre ultrapassou o limite de gastos com pessoal, conforme prevê a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O documento é assinado pelo procurador-geral de Justiça José Antônio Borges, pelo promotor de Justiça Mauro Zaque e outros cinco membros do MPE.

Fonte: Reporter MT
Marcadores: , ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.