Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Dirigentes do Sindicato das Indústrias de Frigoríficos em Mato Grosso (Sindifrigo-MT) se reuniram com o governador Mauro Mendes, o secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho, o líder do Governo, deputado estadual Dilmar Dal Bosco e o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Gustavo de Oliveira, para tratar da possível interrupção do diferimento do recolhimento do ICMS (Imposto Circulação de Mercadorias e Serrviços) nas operações de venda de bezerros.

O advogado tributarista Thales Rodrigues  explica que “as operações internas, com gado em pé, são rodas com regime de diferimento, ou seja, não há o recolhimento do ICMS nas operações de venda de bezerro ou de carro de bois, no entanto a operação subsequente com a carne é isenta. O Estado passou a externar o entendimento de que em razão dessa isenção subsequente, ocorre a interrupção desse regime de diferimento e passa ao estabelecimento frigorífico a energia do pagamento do ICMS, que foi exonerado. Então, a pauta do setor frigorífico é a reivindicação da segurança jurídica, no sentido de reconhecer que não há fundamento legal para a cobrança do ICMS dispensadas nas operações anteriores”.

O secretário estadual de Fazenda, Rogério Gallo, explicou que a atual legislação determina que deve existir o recolhimento.  “Realizamos uma notificação para que o setor frigorífico apresentasse os documentos, não houve a abertura ainda da ação fiscal, vamos fazer uma analise técnica, buscar o posicionamento do setor e fazermos uma construção juntos para ter a melhor solução”.

Mauro Mendes salientou que a demanda é importante para resolver os passivos que foram criados em função da complexidade da interpretação do atual regulamento do ICMS.  “Esse problema específico será abordado tecnicamente por uma comissão que representará o setor e ficou muito claro que na próxima semana estará sendo encaminhada à Assembleia Legislativa uma nova lei, que vai restituir todos os programas de incentivo fiscais em Mato Grosso para apreciação e aprovação por aquela causa deles”, disse, através da assessoria.

Segundo o diretor Roberto Vilanese, o segmento foi surpreendido com a questão e apontou “o passivo criado por essa nova interpretação da secretaria de Fazenda do Estado em uma legislação, que já está  sendo aplicada erroneamente, há muito tempo”. “Confiamos muito que o Governo Estadual se sensibilize com essa situação”.

O presidente da Fiemt defendeu a desoneração do setor de frigoríficos. “É importante primeiro, porque produzir carne no país não é barato, então quem cria animais para abate já possui altos custos, e em Mato Grosso existem adicionais como o Fethab e tantos outros. Quem vai arcar com o custo final é o consumidor, ou seja, o produto pode se tornar inacessível para a população”, disse Gustavo de Oliveira.

Fonte: Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)

Marcadores: , ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.