Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), disse ontem que é preciso “desmamar” alguns setores da economia que são dependentes de incentivos fiscais. A declaração foi ao ser questionado sobre o projeto de lei enviado à Assembleia Legislativa que promove a convalidação e reinstituição das renúncias e incentivos fiscais no Estado e que tem incomodado setores da economia.

“O algodão, por exemplo, há 20 ou 30 anos o Proamat fazia todo sentido, pois Mato Grosso não produzia nada. Hoje a cadeia cresceu e se desenvolveu. Você não pode dar mamadeira para criança a vida inteira. Depois ela aprende a andar, começa a comer na colherzinha, depois a comer sozinha. O Estado não pode ficar a vida inteira dando incentivo fiscal para determinado setor. Incentivo fiscal é para desenvolver cadeias. Se já desenvolveu, já cresceu e já está robusta, não precisa mais incentivo”, declarou Mendes.

Apesar da fala dura, o governador enfatizou que não se trata de uma perseguição aos produtores de algodão e que citou a cadeia como um exemplo. “A fala é genérica e conceitual. Por isso fiz a comparação com a criança que cresce. Primeiro é mamadeira, depois comidinha na boca, depois chega tempo que vira jovem adulto e que tem condições de andar com si próprio. Pode contribuir com Mato Grosso e nós estamos cobrando a devida contribuição”, ressaltou.

Setores da economia como a Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) e Federação do Comércio (Fecomércio) não gostaram da mensagem que chegou ao legislativo. Eles entendem que o governo quer empurrar uma minirreforma tributária junto com a convalidação e reinstituição dos incentivos e que não dialoga com os setores. Mauro Mendes, que vem do setor industrial, disse que o Parlamento será o local de discussões.

“O diálogo será feito na Assembleia. Quando fere interesses, é comum usar subterfúgios, argumentos para tentar atacar. Estamos abertos ao diálogo, mas vamos fazer o que é melhor para Mato Grosso. Existiam alguns incentivos fiscais que não tem em lugar nenhum do Brasil e nós cortamos mesmo. Não faz sentido, não é política de desenvolvimento e não contribui para a política de desenvolvimento de Mato Grosso”, pontuou.

Conforme Só Notícias já informou, a mensagem do governo do Estado que cria regras para reinstituição e concessão de incentivos e renúncias fiscais em Mato Grosso, esperada para terça-feira passada (25) na Assembleia Legislativa, só chegou ontem ao Parlamento e foi lida em plenário, junto com o pedido de dispensa de pauta a fim de acelerar a tramitação e garantir que a lei seja publicada até o dia 31 de julho, prazo máximo estipulado pela lei complementar 160/2017 do governo federal.

Os parlamentares oposicionistas reclamam da pressa para a votação de um projeto que eles consideram complexo e cheio de “pegadinhas” em questões tributárias. Eles entendem que há necessidade de discussão mais ampla com os empresários e com os deputados. Empresários também já se movimentam e tentam entender a matéria para apresentar questionamentos.

Para o líder do governo no Parlamento, deputado Dilmar Dal Bosco, há tempo hábil para votar, para realizar audiências públicas e discutir com a classe empresarial, e para discutir a matéria nas comissões e no plenário da Assembleia.

Se o projeto não for votado até o final de julho, empresários contemplados com benefícios fiscais podem perder o direito por falta de convalidação.

Um trabalho desenvolvido pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) identificou uma diferença de R$ 1,5 bilhão a mais do que os R$ 3,8 bilhões de incentivos já concedidos e identificados na Lei Orçamentária Anual (LOA) deste ano. Desta forma, Mato Grosso deve deixar de arrecadar R$ 5,3 bilhões em 2019 só em virtude dos incentivos já concedidos em gestões anteriores.

A intenção da nova legislação é reduzir a concessão de incentivos fiscais imediatamente, inclusive com a revogação de alguns benefícios outorgados por decreto, o que deve ser feito ainda este mês. Com os cortes, a previsão do secretário comandante da Sefaz, Rogério Gallo, é aumentar a arrecadação estadual com o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em até 5% somente com estas medidas iniciais.

Fonte: Só Notícias/Marco Stamm, de Cuiabá (foto: arquivo/Jose Medeiros)

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.