Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

DivulgaçãoPara os dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), e os milhares de profissionais que compareceram na Audiência Pública, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, nesta segunda-feira (17.06), para debater a greve de 21 dias no estado,  a ausência de representatividade significativa do governo do estado foi uma demonstração de desinteresse do governo em estabelecer um processo de negociação.

O interlocutor do governo presente foi o secretário adjunto da pasta da Educação, Allan Porto, que apenas reafirmou o que já foi apontado no documento oficial. Numa demonstração de que, assim como a secretária de estado, Marioneide Kliemaschewsk, não possui autonomia ou poder de decisão.

Para o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, os profissionais saem da Audiência conscientes de que terão que continuar o enfrentamento para assegurar os direitos. E agora com apoio declarado de parte dos parlamentares. Uma parte mínima até então, com base nos integrantes da Comissão de Educação. Foi notada e destacada a ausência do presidente da Casa, deputado Eduardo Botelho, e até mesmo a deputada Janaina Riva, que em outras ocasiões fez a defesa dos direitos dos servidores do estado.

O comprometimento dos deputados Lúdio Cabral, Valdir Barranco, Thiago Silva, João Batista, Dr João, e Wilson Santos, sinalizou avanços nos encaminhamentos. Foi definida a elaboração de uma carta relatando as diferentes propostas e encaminhamentos apresentados pelos profissionais que ocuparam a tribuna. Essa será levada a todos os deputados para o comprometimento e, em seguida entregue ao governador como projeto de negociação. “Nós temos que ir pra cima dos colega deputados para alterar a correlação de forças a favor do governo, aqui na Assembleia”, destacou o deputado Lúdio Cabral.

O dirigente estadual do Sintep/MT, Henrique Lopes, apresentou slides onde comprovam a ausência de compensação das isenções e renúncias fiscais (artigo 245, parágrafo 3º da Constituição Estadual) no caixa da Educação; a manobra contábil com a alteração de crédito para débito do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), dos servidores da educação, entre outras interpretações equivocadas do governo, às leis do estado e também federais. “O Sintep apresenta onde está o problema da crise de Mato Grosso, e precisamos colocar o dedo na ferida para mostrar qual o estado queremos para as famílias que aqui vivem”, disse. 

“Estamos pagando uma conta pela irresponsabilidade do governo, que se furta a comparecer ao debate, para dialogar e procurar uma saída para a greve”, concluiu o Valdeir Pereira.

 Fonte: Assessoria
Marcadores: , ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.