Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

Resultado de imagem para Bolsonaro e Mauro Mendes
Colunista Ed�sio AdornoOs donos do DEM de Mato Grosso, Jayme e Júlio Campos, receberam com apreensão o convite que o presidente Jair Bolsonaro fez pessoalmente ao governador Mauro Mendes para se filiar ao partido Aliança pelo Brasil. A preocupação dos últimos representantes da dinastia Campos é compreensível. Sem Mendes em seus quadros, o Democratas retorna a condição ao que foi de 1995 até 03 de outubro de 2018: um partido coadjuvante.

Sem Mendes em seus quadros, o Democratas retorna a condição ao que foi de 1995 até 03 de outubro de 2018: um partido coadjuvante

A família Bolsonaro corre contra o relógio para conseguir o registro do partido a tempo de participar das eleições municipais de 2020. Se esse desafio for superado, o Aliança pelo Brasil deve se consolidar como a força política mais representativas do país.
Em Mato Grosso, uma avalanche de prefeitos, vereadores, lideranças populares, dirigentes de entidades de classe, além de empresários do campo e da cidade, deve engrossar as fileiras do partido exponenciado pelo presidente Bolsonaro.
Mauro Mendes pode catalisar essa força e potencializá-la para garantir tanto a sua reeleição quanto a do capitão ou do mito, nos dizeres dos bolsonaristas. É pegar ou largar.
A força orgânica, o poder de mobilização, a interatividade nas redes sociais e o peso do nome Bolsonaro permitem antever que o partido do Capitão deve conquistar a maioria das prefeituras do estado.
Mauro e Bolsonaro podem celebrar uma Aliança pelo Brasil e por MT. Esse é o medo dos irmãos Campos, por isso eles insistem e até fazem certa ‘chantagem’ para que Mendes permaneça no DEM.
Na hipótese de Mauro Mendes aceitar o convite de Bolsonaro e migrar para o Aliança, no DEM restarão apenas o senador Jayme Campos e sua esposa Lucimar, a prefeita de Várzea Grande, além do deputado estadual Dilmar Dal’Bosco e alguns vereadores e prefeitos de pequenos municípios.
A grande expressão eleitoral do partido na baixada cuiabana, o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho, talvez nem conclua seu mandato de deputado estadual. Sua cadeira no Tribunal de Contas (TCE) já está reservada e identificada com seu nome. Isso explica o desejo dos Campos em manter a qualquer custo Mauro Mendes no DEM.
Só tem um detalhe: Se permanecer no partido de Jayme e Júlio, o governador deixa em aberto o espaço para um bolsonarista, filiado ao Aliança pelo Brasil, disputar com o apoio de Bolsonaro a prefeitura de Cuiabá e o governo do estado, em 2020. Vale a pena correr esse risco?
Mauro Mendes pode avençar com Bolsonaro uma aliança por Mato Grosso e garantir a conclusão da BR-174. Essa rodovia é de vital importância para o estado e de importância ainda maior para os oito municípios que integram a microrregião de Aripuanã.
A BR-174 é a porta de acesso dos produtos de Mato Grosso a Rondônia, ao Amazonas e ao Porto de Ilo, no Peru.

O Governo de Mato Grosso não tem caixa para resolver os gargalos de logística e de infraestrutura. A parceria com o governo federal é imprescindível

Essa rodovia federal representa a redenção de Castanheira, Brasnorte, Juína, Juruena, Rondolândia, Cotriguaçu, Aripuanã e Colniza, que sofre com o isolamento devido à falta de estradas, mesmo estando a menos de 150 KM de Machadinho, no vizinho estado de Rondônia.
O Governo de Mato Grosso não tem caixa para resolver os gargalos de logística e de infraestrutura. A parceria com o governo federal é imprescindível.
O governo Júlio Campos foi exitoso porque teve o apoio do ministro Mário Andreazza.
Dante de Oliveira não teria feito o que fez sem a ajuda do “trator de FHC”, o saudoso ministro Sérgio Motta.
O governador não pode perder o bonde da história. Aliança pelo Brasil pode ser rebatizada de Aliança por Mato Grosso, com Mauro Mendes no comando estadual e respeitado em Brasília. É pegar ou largar. Fica minha sugestão.
Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Fonte: RD News
Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.