Bem-vindo(a). Hoje é Juruena - MT

O trecho não asfaltado abrange o Vale do Juruena e serve de escoamento das produções agrícola, pecuária e madeireira e também é o principal trajeto de ônibus, ambulâncias e veículos de passeio.

As obras de pavimentação da BR-174 serão executadas pelo governo do Estado. O governador Mauro Mendes (DEM) decidiu, nessa terça-feira (28), manter o convênio firmado com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), em 2013. A decisão foi tomada após uma reunião com os senadores mato-grossenses e donos das empresas que devem tocar a construção.
 
Os senadores Wellington Fagundes (PL) e Jayme Campos (DEM) vieram a Cuiabá para discutir com o chefe do Executivo se o governo manteria o Convênio TT-143, firmado pelo então governante, Silval Barbosa. O termo de compromisso passou para o Estado a responsabilidade de realizar estudos ambientais, projetos de engenharia e a execução da obra de pavimentação, restando ao Dnit apenas o dever de fazer a manutenção da estrada.
Esse trecho não asfaltado também é conhecido como Vale do Juruena. Liga os municípios de Juína, Colniza, Aripuanã, Brasnorte, Castanheira, Cotriguaçu e Juruena, sendo que os 173km de estrada entre Castanheira e Aripuanã são os mais problemáticos.
 
A continuidade do convênio “renova as expectativas de que tudo dê certo em um espaço de tempo menor, uma vez que, os projetos já estão prontos e serão entregues para o Dnit avaliar”, afirmou o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado (Sincop-MT), José Alexandre Schutze, que representa os construtores de rodovias, aeroportos e pontes.
 
Shutze disse que se o estado não desse continuidade ao convênio, “voltaria à estaca zero. Aí, sabe lá quando essas coisas iriam acontecer”. Segundo ele, dessa forma a rodovia se torna prioridade do governo estadual, não deixando os mato-grossenses na dúvida de “qual seria a prioridade do Dnit no Brasil inteiro”.
 
Concluído o projeto, a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) o encaminhará para o Dnit, para ser avaliado. Assim que aprovado, os contratos com as construtoras serão regularizados.
 
Contudo, ainda serão necessários pareceres favoráveis da Fundação Nacional do Índio (Funai) e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), que avaliará o estudo de componente indígena e o levantamento ambiental, respectivamente. Sem a aprovação dos órgãos, a obra não poderá ser iniciada.
 
Dessa forma, “a realização das obras de pavimentação agora passa a depender do empenho do governo estadual. Cabe a Sinfra concluir os projetos”, disse o senador Wellington Fagundes (PL). Apesar da afirmação, Fagundes ponderou que “os componentes indígenas que dificultam”.
 
No entanto, afirmou que “já foi depositado [recursos] em uma conta específica para os índios. Atendendo as exigências dos componentes indígenas. Com isso, eles autorizaram entrar na área para fazer os projetos que, já estão em vias de ser aprovados”.
 
Ainda lembrou que a pavimentação da via foi licitada em seis lotes. Sendo que apenas dois deles não obtiveram empresas interessadas em construir o trecho.


Por: Edyeverson Hilario

Marcadores: ,

Postar um comentário

O Portal DN Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.
Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.